Francisco lembrou a realidade da violência contra a mulher e convidou a continuar dizendo “não à guerra, não à violência, e sim ao diálogo, sim à paz, especialmente para o povo ucraniano martirizado”.

Leia tudo

 

Siga-nos: