1. Versão em Português

CARTA MCC BRASIL – JUNHO 2021 – 262ª

DOWNLOAD VERSÃO PDF – CLIQUE AQUI!

“Enquanto estavam comendo, Jesus tomou o pão e pronunciou a bênção,
partiu-o, deu-o aos discípulos e disse: “Tomai, comei, isto é o meu corpo”.
Em seguida, pegou um cálice, deu graças e passou-o a eles, dizendo:
“Bebei dele todos, pois este é o meu sangue da nova aliança, que é
derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados. Eu vos digo: de
hoje em diante não beberei deste fruto da videira, até o dia em que,
convosco, beberei o vinho novo no Reino do meu Pai”
(Mt 26, 26-29).

Irmãos e irmãs, companheiros de peregrinação na caminhada permanente rumo ao céu, que mensalmente nos encontramos ao longo destas reflexões: quero, a exemplo de Paulo em sua segunda carta aos cristãos de Corinto, desejar que “a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo”, estejam com todos vocês.

Introdução. Logo no início deste mês de junho, no dia 3, celebramos a solenidade de CORPUS CHRISTI – CORPO DE CRISTO – ou seja, da Santíssima Eucaristia. E por quê? Não celebramos na Quinta Feira da Semana Santa, precisamente o dia da Instituição da Eucaristia, Corpo e Sangue de Jesus? A resposta mais oportuna seria: sim, celebramos; mas na Semana Santa, momento que envolve todo o mistério da nossa Redenção, não foi possível solenizar devidamente a Transubstanciação do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Cristo. Entre nós, na Igreja do Brasil, essa solenização ocorre de modo muito especial. Não fosse este período de pandemia, poderíamos apreciar os tapetes maravilhosos, criativos e de tantos matizes, traçados pelas nossas ruas. Nessa tradição singular não é apenas o resultado artístico que conta, mas a colaboração de tantas pessoas, até das distanciadas da Igreja, no processo de confecção desses tapetes sobre os quais passarão o Corpo e o Sangue de Jesus, conduzidos no ostensório, sob o pálio, acompanhados de vibrantes cantos e fervorosas orações.

Transubstanciação. Que termo mais misterioso é esse? Costumamos simplificá-lo traduzindo-o por transformação ou mudança. Desse modo, entretanto, não atingimos a sua mais profunda realidade. Pois não se trata de mera mudança ou transformação, mas de mudança de substância. Isto é, o trigo já não contém a substância de trigo, mas a de carne – a carne de Jesus. O vinho já não contém a substância da uva, mas a do sangue – o sangue de Jesus. “Faz-se carne o pão de trigo, faz-se sangue o vinho amigo: deve crer todo cristão”1 . Para melhor compreensão, transcrevo mais alguns versículos da mesma sequência: “Pão e vinho, eis o que vemos; mas ao Cristo é que nós temos em tão ínfimos sinais… Alimento verdadeiro, permanece o Cristo inteiro quer no vinho quer no pão”.

A Eucaristia, sinal de unidade. Todos os que nos alimentamos do Corpo e do Sangue de Jesus somos, com Ele, um forte sinal da unidade da Igreja, Povo de Deus. Ainda que sejamos muitos os que, com fé o recebemos, Jesus é o mesmo para todos. Infelizmente, as inegáveis separações, os cismas ou as divergências no seio da Igreja não manifestam estes sinais de unidade. Podem, portanto, ser motivos de escândalo e ser um contrassinal da unidade do Corpo e Sangue de Cristo. “Um por todos recebido, não em parte ou dividido, pois inteiro é que se dá”. E ainda: “Um ou mil comungam dele, tanto este quanto aquele: multiplica-se o Senhor”.

Pode-se concluir, então, que a busca da unidade na Igreja tem o seu fundamento na sagrada Eucaristia. Convém lembrar que o grande sonho do nosso papa Francisco é exatamente este: “Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti. Que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste”. Eu lhes dei a glória que tu me deste, para que eles sejam um como nós somos um: eu neles, e tu em mim, para que sejam perfeitamente unidos, e o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste como amaste a mim” (Jo 17, 21-23).

Sugestões para reflexão pessoal ou em grupo.

A) Ao aproximar-se para receber a sagrada comunhão, você tem clara consciência de que vai participar de um banquete no qual são servidos o Corpo e o Sangue de Cristo?

B) Se Jesus enfatizou tão intensa e frequentemente a importância da unidade entre seus seguidores – a ponto de compará-la com a unidade entre Ele mesmo e o Pai – como você vê, na sua comunidade eclesial ou no seu próprio Movimento, alguns comportamentos de ciúmes, de fofocas ou de difamação do seu irmão ou irmã?

C) Não deveria a busca pela unidade ser de tal modo intensa, que todos os grupos de cristãos a tivessem como objetivo permanente?

D) Ao participar da celebração eucarística no dia de Corpus Christi, fique atento à oração sobre as oferendas: “Concedei, ó Deus, à vossa Igreja os dons da unidade e da paz, simbolizados pelo pão e o vinho que oferecemos na sagrada Eucaristia”.

Esperando encontrar a cada um de vocês na Eucaristia, despeço-me com um forte abraço fraterno.

¹ Sequência da missa de Corpus Christi. Eventualmente, ao participar da celebração eucarística neste dia, você só ouvirá alguns versos desta Sequência, pois em sua versão completa ela é mais longa.

P. José G. BERALDO

Equipo Sacerdotal GEN MCC Brasil

E-mail: jberaldo79@gmail.com

Siga-nos: