“A situação é realmente terrível. As pessoas vão para os hospitais, mas os hospitais não têm leitos e pessoas estão morrendo. Nossos profissionais de saúde e voluntários estão trabalhando 24 horas por dia para manter esse ritmo de atendimento”, disse em uma nota o diretor executivo da organização, padre Paul Moonjely.
Siga-nos: