1. Versão em Português

CARTA MCC BRASIL – JANEIRO 2021 – 257ª

“Nós amamos, porque ele nos amou primeiro. Se alguém disser:
‘Amo a Deus’ mas odeia o seu irmão, é mentiroso; pois quem não
ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem
não vê. E este é o mandamento que dele recebemos; quem ama a
Deus, ame também seu irmão” (1Jo 4, 19-21).

 

Introdução. Iniciamos o novo ano celebrando, em alguns países, o “Dia da Fraternidade Universal” ou “Dia da Confraternização Universal”. Uma celebração como que imposta por decreto. Para os cristãos, entretanto, a fraternidade nasce de uma fonte divina. E essa fonte é Jesus. Filho Unigênito do Pai, faz-se humano para tornar-se irmão. Pois é nessa ótica que o Papa Francisco, no dia 3 de outubro do corrente ano, em Assis, presenteou-nos com a Carta Encíclica FRATELLI TUTTI, sobre a Fraternidade e a Amizade Social. Na introdução da Encíclica o Papa atribui seu título a São Francisco de Assis. “Fratelli Tutti, escrevia São Francisco de Assis, dirigindo-se a seus irmãos e irmãs parar lhes propor uma forma de vida com o sabor do Evangelho” (nº 1). A citação acima da Palavra de Deus foi feita considerando que o amor a Deus e aos irmãos é o fundamento de todas as posteriores considerações.

1. Carta Encíclica ”Fratelli Tutti” Sobre a Fraternidade e a Amizade Social. Desde o momento de sua publicação, muito já se escreveu e comentou sobre esta Encíclica. A intenção, aqui, é a de recomendar vivamente sua leitura e estudo para colocá-la na prática de nossa vida cristã. Estamos atravessando, ainda, estes tempos difíceis da pandemia da Covid-19. O isolamento e o distanciamento não podem ser motivos suficientes para ignorarmos a fraternidade e a amizade social. Assim termina o papa a introdução à Encíclica: “Desejo ardentemente que, neste tempo que nos cabe viver, reconhecendo a dignidade de cada pessoa humana, possamos fazer renascer, entre todos, um anseio mundial de fraternidade. Entre todos: «Aqui está um ótimo segredo para sonhar e tornar a nossa vida uma bela aventura. Ninguém pode enfrentar a vida isoladamente (…); precisamos duma comunidade que nos apoie, que nos auxilie e dentro da qual nos ajudemos mutuamente a olhar em frente. Como é importante sonhar juntos! (…) Sozinho, corres o risco de ter miragens, vendo aquilo que não existe; é juntos que se constroem os sonhos». Sonhemos como uma única humanidade, como caminhantes da mesma carne humana, como filhos dessa mesma terra que nos alberga a todos, cada qual com a riqueza da sua fé ou das suas convicções, cada qual com a própria voz, mas todos irmãos.” (FT 8). Ainda que todo o documento deva ser lido, estudado e meditado, permitam-me chamar a atenção para o capitulo que julgo central por conter o apelo motivador da Encíclica. Trata-se do capítulo VI, “Dialogo e amizade social”.

2. O Patrono do Movimento de Cursilhos, São Paulo Apóstolo. Sua festa é celebrada no próximo dia 25 de janeiro. São Paulo foi declarado Patrono do Movimento de Cursilhos pelo saudoso Papa Paulo VI, na Ultreya Nacional realizada em Tarragona, por ocasião do ano Santo Paulino, no dia 7 de julho de 1963. Paulo é uma das figuras mais importantes do Novo Testamento. Como o Apóstolo tocado pela graça assumiu a evangelização dos gentios, dos que “estavam fora”, assim também o Movimento de Cursilhos é chamado a assumir a “Igreja em saída” para a qual nos chama o papa Francisco. Estando em plena preparação para a celebração dos sessenta anos no Brasil, o MCC o fará abordando, este ano, o tema do profetismo. Ao concretizar seu carisma de “fermentar de evangelho os ambientes” este Movimento eclesial o faz através da amizade, da proximidade e da comunhão fraterna.

Deve-se reconhecer que apesar destes tempos de isolamento e de tantos problemas de distanciamento, o Movimento de Cursilhos tem sabido usar dos mais modernos meios de comunicação em modo virtual para levar sua mensagem de formação a todos os seus participantes e a todos os que se interessam.

Sugestão para reflexão individual e/ou em grupo: Compreendemos o alcance da “amizade social” de que fala o papa Francisco, como prática evangelizadora em nossos ambientes, precisamente como nos mostra o carisma do MCC? Já nos demos conta que, essa “amizade social” não apenas deve buscar os “afastados”, mas também incluir todos sem exceção? Para aprofundar essa reflexão, e em comunhão com toda a Igreja, rezemos com frequência a oração cristã ecumênica com a qual o papa Francisco encerra a Encíclica Fratelli Tutti:

“Deus nosso, Trindade de amor,
a partir da poderosa comunhão de vossa intimidade divina,
infundi no meio de nós o rio do amor fraterno

Dai-nos o amor que transparecia nos gestos de Jesus,
na sua família de Nazaré e na primeira comunidade cristã.

Concedei-nos, a nós cristãos, que vivamos o Evangelho
e reconheçamos Cristo em cada ser humano,
para o vermos crucificado nas angústias dos abandonados
e dos esquecidos deste mundo,
e ressuscitado em cada irmão que se levanta.

Vinde, Espiríto Santo! Mostrai-nos a vossa beleza
refletida em todos nos povos da terra,
para descobrirmos que todos são importantes,
que todos são necessários, que são rostos diferentes
da mesma humanidade amada por Deus. Amém.

Com meus votos de um ano realmente novo – nos propósitos fraternos e nas atitudes em favor da construção de uma sociedade justa e fraterna – deixo a todos meu abraço e a certeza de minhas orações.

P. José G. BERALDO

Equipo Sacerdotal GEN MCC Brasil

E-mail: jberaldo79@gmail.com

Siga-nos: