Dar forma e sabor de Evangelho à nossa vida

São Francisco deixou um pedido aos seus irmãozinhos de comunidade, sugerindo que dessem forma e sabor de evangelho à sua vida. O que teria desejado Francisco ao fazer essa proposta?

A partir da minha compreensão, acredito que o Santo queria dizer que cada irmão procurasse fazer de sua vida um alegre anúncio; que fizesse de sua história pessoal uma boa notícia para os outros;  que a vida de cada um se tornasse um convite para viver na simplicidade, na magnanimidade, na generosidade e, sobretudo, fazer um convite ao profundo respeito e amor à obra da criação, onde todos se considerassem irmãos.

O que Francisco desejava aos seus irmãozinhos vale também para nós hoje, isto é, que estejamos sempre abertos, através do amor, para superar os espaços geográficos, os espaços das crenças, das ideologias e das condições sociais no intuito de construir um mundo de paz e bem querer, renunciando a todo o tipo de orgulho, de violência e agressão.

Acredito que a nossa vida e a vida de cada pessoa terá sabor de Evangelho, na medida em que se caracterizar pela alegria interior, pela simplicidade na forma de agir e viver; na medida em que o amor estiver acima das leis, dos ritos, das fórmulas e das convenções.

Sim, nossa vida terá sabor de Evangelho sempre que o perdão, a compreensão, a misericórdia, a ternura forem mais do que conceitos, muito mais que propósitos e palavras e, efetivamente, se  constituírem   numa cultura de vida diária.

Assim, aceitando a proposta de Francisco de dar à vida a forma e sabor de Evangelho, desejamos entrar nesse processo, nesse dinamismo, sabendo que se trata de um caminho vagaroso e longo, mas compensador e profundamente gratificante, realizador e de paz.

Entendo que dar forma e sabor de evangelho à nossa vida é torná-la verdadeiramente humana em todas as dimensões. Não significa fazer da vida algo estranho, penoso, difícil, pelo contrário, é torná-la doce, suave, forte nos desafios, simples nas ações, generosa e pronta no servir, alegre no conviver, livre no discernir, mas sempre aberta para acolher especialmente o pobre e sofredor.

Neste sentido a proposta de São Francisco de Assis   é um caminho aberto para todos os que desejam ser verdadeiramente felizes e querem contribuir com a felicidade dos outros.

Quem sabe esse tempo de pandemia que ainda temos pela frente, tempo de isolamento social, de privações e desafios ajude-nos a tomar o caminho da simplicidade, da vivência solidária e fraterna de que tanto necessitamos?

Benditos os que fizerem sua vida tomar forma e sabor de Evangelho!

Benditos os que renunciarem à violência em favor da paz.

Benditos os que escolherem a fraternidade e renunciarem ao egoísmo.

Benditos aos que não se contentam em ser vizinhos, mas buscam ser irmãos.

Benditos os que estão conectados pelo amor e pela vida e não apenas pelas redes sociais.

Pe. Xiko

Siga-nos: