1. Versão em Português

CARTA MCC BRASIL – OUTUBRO 2020 – 255ª

“O Senhor falou a Moisés:
‘Fala a toda a comunidade dos israelitas e dize-lhes:
Sede Santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lv 19,1).
“Sede, portanto, perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).

Irmãos e irmãs que peregrinam em meio às dificuldades dos tempos que correm, no caminho que nos leva à santidade: desejo-lhes de coração a paz de Cristo.

Neste mês de novembro, a Igreja nos convida a celebrar os que já partiram para a casa do Pai e os que já são santos. Aliás, ao insistir que sejamos santos como Ele mesmo é santo, o Criador parece querer confirmar que, precisamente ao deixar esta vida e poder vê-Lo face a face, seremos, também, santos! É, pois, com os olhos postos nos que dormem o sono eterno e naqueles aos quais nos referimos como santos, que iniciamos nossa reflexão.

  1. Todos os Santos e Santas. Trata-se, em primeiro lugar, de celebrarmos, com a liturgia, aqueles e aquelas que vivenciaram, muitas vezes até ao heroísmo, o seguimento de Jesus. Seguimento não só das palavras do Mestre, mas, sobretudo, do seu testemunho. A muitos destes seguidores a Igreja declara santos e santas, isto é, canoniza-os, levando-os às honras dos altares. Assim são homenageados pela veneração dos fieis católicos. Muitos são conhecidos mesmo tendo vivido há vários séculos atrás, desde os inicios da Igreja. Nem todos, porém, são conhecidos e lembrados. Por isso, a Igreja na sua liturgia no Dia de Todos os Santos e Santas, quer fazer memória de todos, dedicando-lhes esta celebração especial e incentivando todos nós a imitá-los.

Entretanto, nem sempre nos achamos à altura dessa imitação e, olhando para os altares, sentimo-nos muito distantes dessa caminhada para a santidade. Então, vem em nosso auxilio, para nos animar e mostrar-nos os caminhos para a santidade, nosso papa Francisco.

Em 19 de março de 2018, ele nos presenteou com a Exortação Apostólica “Gaudete et Exultate”

(“Alegrai-vos e Exultai” – Mt 5,12). E para que não haja dúvidas sobre o que pretendia com essa Exortação, colocou-lhe, como subtítulo: “Sobre o chamado à santidade no mundo atual”. Já com essa chamada titular, mostra-nos que a santidade também é possível na realidade do mundo de hoje, e convidanos a assumir com coragem o seguimento de Jesus em meio a todas as situações nas quais vivemos.

Deixo-lhes aqui algumas poucas citações da GE que deverão animar-nos a aprofundar sua leitura e reflexão. Vários de seus parágrafos iniciais abrem-se com o titulo Santos ao nosso lado”. “Não pensemos apenas nos que já estão beatificados ou canonizados. O Espírito Santo derrama a santidade por toda a parte, no santo povo fiel de Deus, porque “aprouve a Deus salvar e santificar os homens não individualmente, excluída qualquer ligação entre eles, mas constituindo-os em povo que o conhecesse na verdade e o servisse santamente” (GE 6).

E prossegue: “Gosto de ver a santidade no povo paciente de Deus: nos pais que criam seus filhos com tanto amor, nos homens e nas mulheres que trabalham para levar o pão para casa, nos doentes, nas consagradas idosas que continuam a sorrir. Nessa constância de continuar caminhando dia após dia, vejo a santidade “ao nosso lado”, daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus, ou – em notas palavras – da “classe média da santidade” (GE 7).

E, como se não bastasse todo este encorajamento, ai vai mais um parágrafo: “Para ser santo, não é necessário ser bispo, sacerdote, religiosa ou religioso. Muitas vezes somos tentados a pensar que a santidade esteja reservada apenas àqueles que têm possibilidade de se afastar das ocupações comuns, para dedicar muito tempo à oração. Não é assim. Todos somos chamados a ser santos, vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho nas ocupações de cada dia, onde cada um se encontra. És uma consagrada ou um consagrado? Sê santo, vivendo com alegria a tua doação. Estás casado? Sê santo, amando e cuidando do teu marido ou da tua esposa, como Cristo fez com a Igreja. És um trabalhador? Sê santo, cumprindo com honestidade e competência o teu trabalho ao serviço dos irmãos. És progenitor, avó ou avô? Sê santo, ensinando com paciência as crianças a seguirem Jesus. Estás investido em autoridade? Sê santo, lutando pelo bem comum e renunciando aos teus interesses pessoais” (GE 14).

  1. Comemoração dos Fieis defuntos. Será que existe um dia mais tradicional do que esse na sadia tradição católica que moldou nossa formação? Dia da saudade, dia da homenagem aos familiares e amigos falecidos? Dia de visita quase obrigatória aos cemitérios e aos túmulos mais enfeitados e cobertos com flores e outros símbolos? Sem esquecer que a mesma tradição cristã dedica, aos nossos irmãos e irmãs falecidos, a celebração de missas e orações especiais. Aliás, lembro que neste dia os sacerdotes podem celebrar três missas com distintas intenções. Neste ano, especialmente, somos convidados a rezar pelas milhares e milhares de pessoas que, no mundo inteiro, faleceram vítimas da pandemia do COVID19.

Sugestão para reflexão pessoal e/ou em grupo:

  • Durante todo o mês de novembro, ler, refletir e saborear a Exortação Apostólica “Gaudete et Exultate” e, no dia a dia, em família, no trabalho ou nas relações sociais, tentar percorrer os vários caminhos da santidade propostos por ela.
  • Por caridade e por solidariedade, ir acompanhando o número de falecidos vitima do COVID19 pelo mundo para continuar rezando por eles e pelos seus familiares.
  • Ao lembrar os fieis defuntos, não esquecer de que não somos eternos e, portanto, preparar-nos comnossa vida, para o abraço eterno e misericordioso do Pai celeste.

Concluindo, fiquemos com o papa Francisco que assim termina sua preciosa Exortação:”Espero que estas páginas sejam úteis para que toda a Igreja se dedique a promover o desejo da santidade. Peçamos ao Espírito Santo que infunda em nós um desejo intenso de ser santos para a maior glória de Deus; e animemo-nos uns aos outros nesse propósito. Assim, compartilharemos uma felicidade que o mundo não poderá tirar-nos” (GE 177).

Desejando que o desejo de santidade seja a grande motivação desse período em que estamos terminando o Ano Litúrgico, deixo-lhes meu abraço cordial.

P. José G. BERALDO

Equipo Sacerdotal GEN MCC Brasil

E-mail: jberaldo79@gmail.com

Siga-nos: