Liturgia do dia 12/10/2019

Leituras
Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Padroeira do Brasil, solenidade
Est 5,1b-2;7,2b-3
Sl 44(45),11-12a.12b-13.14-15a.15b-16 (R/. 11 e 12a)
Ap 12,1.5.13a.15-16a
Jo 2,1-11 (Bodas de Caná)

27ª Semana do Tempo Comum

Sábado

Primeira Leitura: Est 5,1b-2;7,2b-3

5.1bAconteceu que no terceiro dia tomou Ester vestes reais e penetrou no adro interior do palácio do rei, diante do apartamento real. Estava o rei sentado em seu trono régio, no apartamento real, diante da entrada da sala. 2Ora, quando viu a rainha Ester em pé no adro, encontrou ela graça aos seus olhos, e o rei estendeu-lhe o cetro de ouro que tinha na mão. Ester, então, aproximou-se e tocou a ponta do cetro. 7.2b2E de novo neste segundo dia, quando estavam a beber, disse o rei a Ester: “Qual é o teu pedido, rainha Ester? Ser-te-á outorgado. Qual o teu desejo? Ainda que seja a metade do meu reino, será cumprido”. 3A rainha Ester respondeu: “Se encontrei graça aos teus olhos, ó rei, e se ao rei aprouver, seja-me poupada a vida — é este o meu pedido —; seja concedida a vida ao meu povo — é este o meu desejo.

 

Salmo: Sl 44(45),11-12a.12b-13.14-15a.15b-16 (R/. 11 e 12a)

R.: Ó filha, escuta e vê, inclina o ouvido; esquece os teus e a casa de teu pai, seja a paixão do Rei tua beleza!

11Ó filha, escuta e vê, inclina o ouvido; esquece os teus e a casa de teu pai, 12aseja a paixão do Rei tua beleza!

12bProstra-te diante dele: é o teu Senhor. 13Filha de Tiro, acorrem com presentes, os mais ricos do povo te suplicam!

14De majestade e ouro, revestida, toda em brocado e vestes multicores, 15afilha de rei, ao Rei é conduzida.

15bVirgens amigas formam-lhe o cortejo: 16 conduzindo-a com júbilo e alegria, no palácio do Rei elas penetram.

 

Segunda Leitura: Ap 12,1.5.13a.15-16a

1Em seguida, um grande sinal apareceu no céu: uma mulher revestida de sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça. 5E ela deu à luz o filho, um menino, que tinha sido destinado a governar todas as nações com cetro de ferro. Mas seu filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 13O dragão, vendo que havia sido derrubado na terra, perseguiu a mulher que tinha dado à luz um filho, um homem. 15A serpente vomitou um rio de água contra a mulher, para que ela fosse arrastada na correnteza. 16Mas a terra socorreu a mulher.

Evangelho: Jo 2,1-11 (Bodas de Caná)

1Três dias depois, celebrou-se um casamento em Caná da Galileia, e ali estava a Mãe de Jesus. 2 Jesus e seus discípulos também foram convidados para esse casamento. 3Como o vinho estava acabando, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4 Jesus respondeu: “Mulher, que relação há entre mim e ti? Já não chegou a minha hora”? 5 Sua mãe disse aos serventes: “Fazei tudo que ele vos mandar”. 6Estavam ali seis talhas de pedra destinadas às purificações dos judeus, cabendo em cada uma oitenta ou cento e vinte litros de água. 7 Jesus disse: “Enchei de água essas talhas”. Encheram-nas até a boca. 8Mandou, então: “Tirai, agora, um pouco e levai ao chefe do serviço”. Eles levaram. 9O chefe do serviço provou da água mudada em vinho. Ele não sabia qual era sua origem — apesar dos serventes saberem — e falou com o noivo: 10 “Toda gente serve primeiro o bom vinho. Quando os convidados já estão alegres por causa do vinho, serve o de qualidade inferior. Tu, porém, guardaste o melhor vinho até agora!”. 11Deste modo, Jesus deu início em Caná da Galileia a seus sinais e revelou sua glória. E seus discípulos creram nele. 12Depois disto, ele desceu até Cafarnaum com sua mãe, seus irmãos e seus discípulos. Ficaram ali apenas alguns dias.

 

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

 

VIVA A RAINHA-MÃE DE JESUS E NOSSA MÃE!

 

Primeira Leitura: Est 5,1b-2; 7,2b-3.

O que me pedes, Ester? O que queres que eu faça? (Est 7,2b).

A Liturgia da Palavra reserva a leitura do livro da Rainha Ester para esta Solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

Antes de tudo e preciso esclarecer que o livro bíblico chamado Livro de Ester é produto da literatura romântica com finalidade religiosa para fortalecer a fé do povo judeu e nossa.

Este Livro é uma novela que envolve reis e rainhas, poder, palácios, favores reais especiais e alegria do povo com os benefícios concedidos pelo rei. Seus personagens nunca existiram na vida real. Nesta estória tudo é simbólico. Tem por finalidade mostrar o poder que Deus tem para ajudar quem Dele precisa.

Desta estória Ester faz parte para nos mostrar como o pedido de uma pessoa a Deus pode ser atendido, porque Deus ama esta pessoa imensamente.

Ester era uma jovem órfã criada por seu tio Mardoqueu. Viviam na capital de um grande reino, como em contos de fadas. Aquele reino era governado pelo todo-poderoso rei Assuéro.

O rei Assuéro aqui representa o Poder de Deus.

A rainha Ester representa uma pessoa sofrida e bondosa que pede ao rei uma coisa praticamente impossível.

E ela consegue o que pede, por dois motivos:

primeiro porque o pedido que ela fez foi o mais justo de todos: salvar sua própria vida e a de seu povo ameaçado de morte por um cruel ajudante do rei;

segundo, porque ela era tão bonita que o rei se encantou com sua beleza.

O Livro de Ester conta como a rainha entra no palácio tremendo de medo, porque antes não tinha pedido licença ao rei. Mas belíssima como estava, foi acolhida pelo rei, que lhe disse:

O que me pedes, Ester? O que queres que eu faça? (Est 7,2b).

Ester pediu:

Se ganhei tuas boas graças, ó rei,

e se for de teu agrado,

concede-me a vida – eis o meu pedido –

e a vida do meu povo – eis o meu desejo! – (Est 7,3).

Então tudo o que Ester pediu, alcançou.

O rei pôs todo o seu poder a favor de Ester.

Pensemos em nossa Solenidade de Nossa Senhora Aparecida.

a rainha Ester representa Nossa Senhora, que é Rainha, e ainda por ser mais: é a Mãe de Jesus Rei.

– a beleza de Ester representa a santidade da Mãe de Jesus.

O rei Assuéro representa Jesus Cristo com Poder que recebeu de Deus. Diz Mt 28,18: Jesus, aproximando-se, disse-lhes: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.

O pedido de Ester representa o pedido que Nossa Senhora recebe de nós e leva ao Rei seu Filho.

O poder do rei é o que Jesus Cristo tem para atender a Sua Mãe.

Nossa Senhora leva a Jesus Cristo nossos pedidos, que ela os considera seus. Seu Filho não deixará de atender, porque Ele é Cristo Rei.

Nossa Senhora tem toda a sublime beleza espiritual que a Graça de Deus lhe dá, como disse o Anjo na Anunciação (Lc 1,28); ela é toda santa. Com esta santidade ela encanta Deus que Ele não lhe nega nada.

Nesta Solenidade devemos entender o que Nossa Senhora representa para a Igreja, para cada um de nós, seus filhos. Ela, como Rainha, consegue que Deus nos atenda usando de todo o Seu Poder divino que não é outra coisa que amor por ela e por todos os que Jesus Cristo salvou.

Apresentemos a Deus, portanto, nossos pedidos por intercessão de Nossa Senhora Rainha Aparecida.

Salmo Responsorial: Sl 44 (45),11-12a.12b-13.14-15a.15b-16 (R/. 11 e 12a).

… que o rei se encante com a vossa beleza! [Sl 44 (45),12]

A beleza da Mãe de Jesus é a Graça de Deus que nela resplende. Ela é cheia de Graça.

O Salmo responsorial nos apresenta uma cena real. Uma princesa em seu casamento com um rei, é acompanhada por suas amigas, as damas de honra. Elas se dirigem com cantos de festa para o palácio real.

Esta imagem aplicada a Nossa Senhora nos faz contemplar aquela menina simples e santa de Nazaré escolhida por Deus para ser a Mãe de Seu Filho encarnado. Ela foi escolhida pelo Rei, Deus, para ser Mãe do Rei, o Messias de Israel. Portanto é Rainha-Mãe.

Novamente, como na Primeira Leitura, encontramos Maria como Rainha, junto ao trono de Seu Filho.

Se nela depositamos nossa confiança e apresentamos pedidos que somente um rei pode realizar, então é certo que ela intercede por nós junto a seu Filho.

Os milagres que o povo fiel obteve de Deus por meio de Nossa Senhora comprovam que ela atende a nossos pedidos. Ela é a Rainha Mãe. Consegue de seu Filho tudo o que lhe pedirmos.

Tudo isto consideramos sobre Nossa Senhora em dias de suas festas. E hoje é sua solenidade.

Deixemo-nos contagiar por esta alegria espiritual com toda a Igreja no Brasil.

Segunda Leitura: Ap 12,1.5.13a.15-16a.

A leitura de Ap 12,1.5.13a.15-16a. comparece em várias festas e solenidades de Nossa Senhora.

Da solenidade da Assunção de Nossa Senhora trazemos a consideração seguinte sobre esta Segunda Leitura:

Ap 12,1 se aplica diretamente a Nossa Senhora:

Apareceu no céu um grande sinal:

uma mulher vestida de sol,

tendo a lua debaixo de seus pés

e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas (Ap 12,1).

O que tudo isto quer dizer?

A liturgia se apoia em passagens do Antigo Testamento para aplicar a Maria o texto de Ap 12,1:

… uma mulher vestida de sol quer dizer que Maria participa da Glória divina dita no Salmo 103(104),1-2: Senhor meu Deus, … vestido de esplendor e de brilho, revestido de luz como de um manto

… tendo a lua debaixo de seus pés indica de algum modo superioridade de Maria em relação à lua e à sua beleza. Aqui a tradição cristã vê uma referência ao Livro dos Cânticos 6,10, que diz: Quem é esta que tem o olhar da aurora, bela como a lua e brilhante como o sol? É a afirmação de uma condição celestial em que a Mãe de Jesus se encontra agora.

… e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas: quer dizer que Maria participa de uma autoridade que lhe foi dada como uma coroa, fazendo dela participante da realeza de seu Filho. Esta afirmação de Ap 12,1 pode ser referência ao poder que Jesus tem sobre as doze tribos de Israel sendo entronizado como Messias do Povo Eleito, como diz o Salmo 109(110),1. Em Gn 37,9 José, filho de Jacó, diz que via como … o sol, a lua e onze estrelas se prostravam diante dele.

Em Ap 12,3-4 aparece o dragão que quer devorar o filho que vai nascer da mulher vestida de sol.

O dragão é Satanás, que quer destruir a obra salvadora de Deus, matando Seu Filho.

Mas Satanás não consegue o que pretende. Em Ap 12,9 está dito que foi precipitado à terra com seus anjos.

Aplicada a Nossa Senhora e a seu Filho Jesus Ressuscitado esta passagem nos faz entender como a Vida que o dragão quer tirar dela e de seu Filho é defendida por Deus.

Esta Vida é a da Ressurreição de Jesus, a Vida Eterna.

O dragão, o demônio, quer tirar esta Vida que Deus quer dar a todos os que aceitam Seu Filho.

Mas assim como Deus veio ao encontro da mulher do Apocalipse, e salvou Seu Filho da morte, Deus deu a Seu Filho a Ressurreição.

Segundo a tradição mais antiga da Igreja a Mãe de Jesus desde o dia de sua Assunção participa no céu da Ressurreição do Filho.

Em relação a nós a Mãe de Jesus elevada ao céu é modelo e antecipação do que conosco, os filhos de Deus, vai acontecer por efeito da Graça divina.

Todos, como ela, ressuscitados pelo poder de Deus, teremos para sempre a Vida Eterna.

Para chegarmos à nossa salvação e Vida Eterna, todos os dias pedimos à Mãe de Jesus: rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte.

Evangelho: Jo 2,1-11

Assim como o texto do Apocalipse na Segunda Leitura comparece em missas de Nossa Senhora, igualmente o Evangelho de hoje está presente em muitas festas e solenidades da Mãe de Deus.

Hoje reconsideramos o milagre das bodas de Caná.

Vemos aqui especialmente o poder da intercessão de Nossa Senhora pelos que dela precisam socorro.

A sensibilidade da Mãe de Jesus naquelas bodas impressiona.

Na falta do vinho para a festa, ela não vai antes de tudo perguntar se o casal precisa de alguma coisa. Ela percebe a situação difícil em que o casal se encontra, e toma iniciativa de pedir a seu Filho que tome as providências.

Nós confiamos na Mãe de Jesus. Por isto podemos supor que ela, por sua iniciativa, nos defenda de perigos antes que nos demos conta deles em nossa vida. Ela não fez o mesmo pelo casal de Caná?

Confiantes na Mãe de Jesus, façamos uma oração de entrega: que ela cuide de nossa vida, de nossa existência nesta vida, e, na hora de nossa morte, nos venha acolher para que com ela e seu Filho entremos nas alegrias eternas que Deus nos preparou já antes da criação do mundo (está dito em Ef 1,4:… assim como nos escolheu. Nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante Ele.

A este ponto podemos relembrar as lições mais importantes da Liturgia da Palavra de hoje.

Da Primeira Leitura aprendemos como Nossa Senhora é amada por Deus e por isso consegue do poder Dele tudo o que para nós é necessário, e especialmente nossa salvação.

O Salmo Responsorial nos levou a contemplar a beleza espiritual de Maria cheia de Graça. Esta beleza espiritual que recebeu de Deus faz com que Deus com ela se encante. E por isto podemos pedir que ela faça seus os nossos pedidos diante de Deus. Ele, em atenção a Nossa Senhora, vai nos dar tudo aquilo de que precisarmos.

Da Segunda Leitura vimos como a Mãe de Jesus tem poder participado do de seu Filho: é a mulher com uma coroa de doze estrelas com a lua a seus pés. Novamente como Rainha, consegue de seu Filho, o Rei, tudo o que lhe pedimos.

Por fim o Evangelho de hoje confirma tudo o que aprendemos das duas Leituras e do Salmo.

Isto é, a Mãe de Jesus é a Rainha-Mãe. Ao lado de seu Filho nos socorre e protege antes mesmo que lhe apresentemos nossas necessidades, porque nossa confiança nela é tão grande que lhe confiamos nossa vida.

Que ela nos defenda e para nós consiga a salvação no último respiro de nossa vida: rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma


Siga-nos: