Liturgia do dia 13/08/2019

Leituras
Dt 31,1-8
Cânt.: Dt 32,3-4a.7.8.9.12 (R/. 9a)
Mt 18,1-5.10.12-14

19ª Semana do tempo Comum

Terça-Feira

Primeira Leitura: Dt 31,1-8

1Moisés falou estas palavras a todo Israel, 2e disselhes: “Estou hoje com a idade de cento e vinte anos, já não poderei ir e vir; e Javé me disse: ‘Não passarás este Jordão’. 3Javé, teu Deus, é quem passará à tua frente; Ele é quem aniquilará diante de ti estas nações, para que possas expulsá-las. Josué é quem há de passar à tua frente, como disse Javé. 4 Javé as tratará como tratou Seon e Og, reis dos amorreus, aos quais exterminou, ferindo também o seu país. 5 Javé vo-las entregará, e as tratareis segundo os mandamentos que vos ordenei. 6Sede fortes e corajosos, não tenhais nem medo nem susto por causa deles, porque Javé, teu Deus, é quem marcha contigo; Ele não te deixará nem te abandonará”. 7Moisés chamou Josué e disse-lhe na presença de todo Israel: “Sê forte e corajoso, porque tu é que introduzirás este povo no país que Javé prometeu a teus pais que haveria de dar-lhes e tu és quem o colocará na posse dele. 8 Javé é quem marchará à tua frente, ele é quem estará contigo; não te deixará nem te abandonará; não temas, nem te atemorizes”

 

Salmo: Cânt.: Dt 32,3-4a.7.8.9.12 (R/. 9a)

R.: A parte de Javé é o seu povo

3pois o Nome de Javé proclamarei, a grandeza do nosso Deus. 4Rochedo, eterna é sua obra, reto é seu caminho.

7Lembra-te dos dias de outrora, considera as gerações que se foram, interroga teu pai, e ele te dirá; e os anciãos, e eles te contarão.

8Quando o Altíssimo dividia as nações, separando os filhos de Adão, Ele determinou os limites dos povos pelo número dos filhos de Israel.

9pois parte de Javé é o seu povo, como Jacó é sua herança. 12 assim Javé sozinho o conduziu, sem que outro deus o ajudasse.

Evangelho: Mt 18,1-5.10.12-14

1 Naquele momento os discípulos aproximaram-se de Jesus para perguntar: “Quem é o maior no Reino dos céus?”. 2Jesus chamou um menino, colocou-o no meio deles, 3e respondeu: “Eu vos declaro esta verdade: se não vos tornardes de novo como os meninos, não podereis entrar no Reino dos céus. 4Portanto, aquele que se fizer pequeno como este menino será o maior no Reino dos céus. 5Quem acolher um menino como este em meu nome, é a mim que acolherá. 10Cuidado! Não desprezeis um só destes pequeninos! Porque eu vos digo que os seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face de meu Pai que está nos céus. 12Que vos parece? Se um homem tiver cem ovelhas e uma se perder, não achais que deixará as noventa e nove lá nos morros para ir procurar a que se havia perdido? 13E, se chegar a encontrá-la, eu vos declaro esta verdade: a alegria será maior por causa dela do que pelas noventa e nove que não se tinham perdido. 14Assim, o vosso pai que está nos céus não quer que se perca um só destes pequeninos.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

“Quem se faz pequeno como esta criança,

esse é o maior no Reino dos Céus” (Mt 18,4).

No capítulo 18 de São Mateus, a lição que Jesus deu a seus discípulos foi sobre quem seria o maior no Reino dos Céus.

Era uma questão importante para aqueles discípulos ainda mal informados sobre o verdadeiro sentido espiritual do Reino dos Céus. Jesus os corrigiu, portanto, dizendo que o maior seria aquele que fosse simples, pequeno, aos olhos dos homens. Mas, aos olhos de Deus, seria grande.

Ora, quem podia ser mais simples e pequeno, dócil e obediente a Deus, mais do que o próprio Jesus? Portanto sua resposta à pergunta dos discípulos seria esta: “No Reino dos Céus o maior serei eu”. E Jesus podia dizer isto sem falsa modéstia. De fato, o Pai O elevou, ressuscitado, para estar a seu lado em seu trono celeste. Foi esta a visão de Santo Estêvão, descrita em At 7,49: Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à sua direita …  Isto é, o maior no Reino dos Céus é Jesus. Isto os discípulos já deveriam ter entendido.

Retornando ao Evangelho de hoje, vemos como Jesus compara a Si mesmo, em simplicidade e abertura a Deus, as crianças que Ele mesmo acolhia contra a repreensão dos discípulos.

Aqui Jesus se serve da comparação. Não que todos devam retornar à infância para entrarem no Reino dos Céus. Mas todos devem ser semelhantes às crianças em sua simplicidade e abertura a Deus e a Seu Reino.

A lição é simples e fácil de entender. Mas nem tão fácil e simples é o seu cumprimento.

Como adultos trazemos marcas de nosso passado, em que, possivelmente, acumulamos preconceitos ou mágoas injustificadas contra Deus. Isto acontece porque imaginamos Deus como se fosse uma pessoa humana. Ele é uma pessoa divina, que em nosso relacionamento em nada nos magoa nem nos trata de modo injusto.

Caso tenhamos preconceitos contra Deus, voltemos a ser como crianças que não têm prevenção contra Ele. É desta maneira que entraremos no Reino dos Céus.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma


Siga-nos: