Caros irmãos e irmãs de caminhada.

MCC: Caminho de Santificação

DECOLORES!

Sede misericordiosos como vosso pai é misericordioso” (Lc. 6,36).

  1. Continuação da reflexão sobre a missa no cursilho.

Não creio ser bom substituir a missa pela explicação da missa. A explicação não substitui a missa e não se justifica argumentar que se faz isso porque os cursilhistas não sabem o que é.

Quando a Igreja fala da Palavra de Deus, num de seus documentos, afirma que mesmo que não se entenda o que se lê, a Palavra produz seu fruto, pelo simples fato de lê-la. Ora, se isso vale para a Palavra, com o mesmo argumento vale para a Eucaristia. Os apóstolos teriam entendido o que Jesus estava fazendo na ceia? Jesus não explicou a missa para seus apóstolos, eles foram entender mais tarde. Acredito que isso vale também para o cursilho. Repito, para a explicação da missa, existe a escola vivencial.

Penso que o sacerdote que preside a Eucaristia, no cursilho, poderia tomar como leitura o texto dos Atos … e o Evangelho de Lc. 22, onde fala da ceia pascal e aí falar das seis dimensões da Eucaristia: 1. A Eucaristia como sinal, sacramento da presença viva de Cristo, a Eucaristia como a perpetuação dessa presença viva. Aqui se renova a certeza de que Ele continua conosco, que nós somos seu povo. É o cumprimento da promessa, “Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos”. 2. Memória e atualização da Aliança, da antiga Aliança, agora feita nova, a mesma-renovada. 3. Alimento, comida, por isso, pão, refeição, para garantir sua presença e sua força no cristão. 4. Sinal e súplica de unidade, que todos sejam um, Pai, como nós somos um. Aqui está esse sinal de unidade e, ao mesmo tempo, desafio de construir a unidade e renovação do sentido do lava-pés, o espírito que nos deve mover. 5. A grande oração sacerdotal. Cristo reza e se oferece por todos os homens, para salvação do mundo. 6. Festa da fraternidade, Deus senta à mesa com seus filhos com quem partilha sua vida.

Nascemos para Evangelizar!

Pai nosso…

Pe. Xiko

Siga-nos: