Liturgia do dia 14/07/2019

Leituras
Dt 30,10-14
Sl 68(69),14.17.30-31.33-34.36ab.37 (R/. cf. 33) ou Sl 18(19),8.9.10.11 (R/. 9a)
Cl 1,15-20
Lc 10,25-37 (Bom samaritano)

15º Domingo do Tempo Comum

Domingo

Primeira Leitura: Dt 30,10-14

10 contanto que escutes a voz de Javé, teu Deus, observando seus mandamentos e seus preceitos, o que está escrito neste Livro da Lei, e voltes para Javé, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma. 11Porque este mandamento que hoje te ordeno não é muito difícil para ti, nem fora do teu alcance. 12Não está no céu, para que não digas: ‘Quem subirá ao céu, para no-lo tomar e no-lo fazer ouvir, a fim de o praticarmos?’. 13Não está além-mar, para que não digas: ‘Quem atravessará por nós o mar, para no-lo tomar e no-lo dar a ouvir, a fim de o praticarmos?’. 14Mas bem perto de ti está a Palavra, na tua boca e no teu coração, para que a realizes.

 

Salmo: Sl 68(69),14.17.30-31.33-34.36ab.37 (R/. cf. 33) 

R.: Humildes, vede e alegrai-vos; renovem-se as vossas almas, ó vós, que buscais a Deus! 

14Ó Deus, na hora propícia dirijo-te a minha súplica. Responda-me o teu amor, que o teu socorro não falhe!

17Escuta-me, Senhor Deus, pois é grande a tua graça. Oh, volta-me a tua face na tua imensa piedade!

30Curvado e ferido, eu veja erguer-me, ó Deus, teu auxílio! 31Ó Deus vou cantar teu nome, exaltá-lo agradecido.

33Humildes, vede e alegrai-vos; renovem-se as vossas almas, ó vós, que buscais a Deus! 34Atende o Senhor aos pobres, jamais despreza os cativos.

36 Sim, Deus salvará Sião; Judá reconstruirá. 37os seus filhos herdarão. Os que amam o nome de Deus terão ali suas casas

Segunda Leitura: Cl 1,15-20

15Ele é a imagem do Deus invisível, Primogênito com referência à criação inteira, 16 porque todas as coisas foram criadas nele, no céu e na terra, as visíveis e as invisíveis, tronos, soberanias, autoridades, poderes, tudo foi criado por ele e para ele. 17Ele existia antes de tudo, e tudo tem subsistência nele. 18E ele é também Cabeça do Corpo, isto é, da Igreja. Ele é o princípio, o Primogênito dentre os mortos, para que tenha o primeiro lugar em todas as coisas. 19Porque foi do agrado de Deus que toda a plenitude habitasse nele, 20 e também, por meio de Cristo, reconciliar consigo tudo que há, tanto nos céus como na terra, fazendo a paz pelo sangue da sua cruz.

Evangelho: Lc 10,25-37 (Bom samaritano)

25Então um mestre da Lei se levantou e fez uma pergunta embaraçosa: “Mestre, que me falta fazer para herdar a vida eterna?”. 26 Jesus lhe respondeu: “O que está escrito na Lei? E como o entendes?”. 27Ele replicou: “Amarás o Senhor com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças, com toda a tua inteligência; e a teu próximo como a ti mesmo”. 28 Jesus então disse: “Respondeste bem! Faze isto e viverás”. 29Mas ele, querendo se escusar da pergunta que fizera, fez uma outra: “E quem é o meu próximo?”. 30Jesus continuou: “Um homem descia de Jerusalém a Jericó e caiu nas mãos de assaltantes que, depois de o roubarem e de o espancarem, lá se foram deixando-o semimorto. 31Por acaso, um sacerdote descia pelo mesmo caminho. Ele o viu e seguiu adiante por outro lado. 32Um levita passou também pelo mesmo lugar, viu o homem e seguiu adiante por outro lado. 33Mas um samaritano, que estava viajando, quando o viu, ficou com muita pena. 34Aproximou-se dele, enfaixou as feridas derramando azeite e vinho. Depois, colocou-o na sua própria montaria, levou-o a um albergue onde continuou a cuidar dele. 35No dia seguinte, desembolsou duas moedas de prata e deu ao hospedeiro dizendo: ‘Toma cuidado dele e, o que gastares a mais, eu pagarei na volta’. 36Qual dos três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos assaltantes?”. 37Ele respondeu: “O que teve misericórdia dele”. E Jesus lhe disse: “Vai e faze o mesmo”.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

 

A UNIÃO COM DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO SE DAVA NO CUMPRIMENTO DA LEI, MAS NO NOVO SE DÁ NA PESSOA DO FILHO DE DEUS, JESUS CRISTO.

 

A Liturgia da Palavra deste domingo traz uma grande riqueza de instruções para vivermos nossa fé com maior conhecimento e alegria. Meditemos sobre ela com muita atenção.

Primeira Leitura: Dt 30,10-14.

Esta palavra está bem ao teu alcance, em tua boca e em teu coração, para que a possas cumprir (Dt 30,14).

Quando Deus se manifestou ao Povo Eleito no Monte Sinai, fez com ele uma Aliança. Deus se comprometia a ser o Deus de Israel se Israel O aceitasse como seu Deus. Assim o Povo concordou e a Aliança foi estabelecida. Era como um contrato.

A parte de Deus foi oferecer sua Aliança. A parte do Povo foi aceitá-la.

Mas isto devia ser demonstrado a Deus pelo Povo.

Então Deus lhe deu a Lei. O Povo a cumpria e a aliança era mantida.

Por qual motivo Deus precisou dar precisamente uma Lei e não outra exigência?

É na Lei Deus demonstrava Sua Vontade. E se o Povo não cumprisse a Vontade de Deus fazia o pecado. A Lei foi dada para isto: para o Povo saber o que era pecado contra a Aliança.

A Lei impunha algumas normas difíceis. E alguns se queixavam.

Por este motivo Moisés fez este discurso que lemos nesta leitura de hoje, dizendo que a Lei não é difícil, nem está fora do alcance de cada um dos israelitas (Dt 30,11). Pelo contrário está no coração de cada um, está na boca de todo israelita, de modo que cumpri-la não seja impossível.

E foi assim que o Povo de Israel se manteve unido a Seu Deus, desde Moisés até a vinda de Jesus Cristo.

Salmo Responsorial: Sl 18(19),8.9.10.11.

A Lei do Senhor é perfeita, conforto para a alma [Sl 18(19),8].

Ao longo da história do Povo Eleito a Lei foi seu guia, por séculos.

Somente a Lei era o ponto de União com Deus.

Se o Povo a abandonasse, estava escravizado os deuses estrangeiros e distanciado de Seu Deus.

É por isto que em vários escritos do Antigo Testamento a Lei de Deus é apresentada como guia para o Povo Eleito.

No Salmo Responsorial 18(19) há todo um elogio da Lei, dada em preceitos, mandamentos e palavras:

a Lei é perfeita, nada há que por ou tirar: versículo 8a.

a Lei conforta a alma dos que em oração se sentem unidos ao seu Deus: versículo 8b.

– os preceitos do Senhor são precisos, alegria ao coração: versículo 9a.

– os mandamentos do Senhor são luminosos, luz para os olhos: versículo 9b.

suas palavras são mais doces que o mel que sai dos favos: versículo 11.

Para um grande número de Israelitas esta alegria de poder conhecer, meditar, vivenciar a Lei de Deus era verdadeira. Em grandes momentos da liturgia doméstica da Páscoa, em Jerusalém e nas outras cidades, havia um grande fervor religioso. Isto dava ao Povo a alegria de pertencer ao Deus único, Vivo e Verdadeiro.

Outros povos não tinham este privilégio, porque a Lei não fora dada a eles.

Consideremos este privilégio de Israel. Entenderemos depois o nosso privilégio, que é ter Jesus Cristo como mediador entre Deus e nós.

Segunda Leitura Cl 1, 15-20.

… Deus quis habitar Nele com toda sua plenitude, e por Ele reconciliar conSigo todos os seres, os da terra com os do céu, realizando a paz pelo sangue da Sua Cruz (Cl 1,19-20).

Como Jesus Cristo poderia ser a ponte entre a humanidade e Deus?

Ele precisaria ter Deus em si. Em outras palavras, que Nele Deus habitasse plenamente. Não foi isto que a primeira comunidade cristã em Jerusalém entendeu sobre Jesus logo depois de Sua Ressurreição?

Com o passar dos anos, os cristãos foram amadurecendo sua compreensão sobre o papel de Jesus Cristo em comparação com a Lei de Israel.

Assim como a Lei era o ponto de união entre o Povo Eleito e Deus, para os cristãos este ponto de união foi revelado em Jesus Cristo.

Como o Povo de Deus cristão chegou a este ponto?

Num determinado momento das missões iniciais da Igreja os apóstolos entenderam como a Lei de Moisés impedia a evangelização das outras nações que não estavam incluídas no Povo Eleito.

Ora, quando os apóstolos começaram a pregar o Evangelho, algumas vezes o Espírito Santo descia sobre os pagãos, mostrando que Deus acolhia no meio de Seu Povo também pessoas de fora do Povo Eleito, pessoas que nem conheciam a Lei.

Quem não se lembra da estória da visita que São Pedro fez ao romano pagão chamado Cornélio? Está em At 10. No versículo 47 São Pedro decide dar o batismo a Cornélio e sua casa, dizendo: Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes que também receberam, como nós, o Espírito Santo?

Foi deste modo que muitos pagãos entraram para a Igreja de Jesus Cristo, que é o Novo Povo Eleito de Deus.

Na leitura de Colossenses de hoje, está dito precisamente que agora a União da humanidade com Deus acontece por meio de Jesus Cristo.

Como é isto?

A Lei mostrava somente os pecados, mas não os perdoava. A Lei não era gente, e perdoar somente pessoas podem. Mas mesmo em pecado, o Povo Eleito se mantinha unido a Deus, sabia onde o ofendia e podia pedir perdão. Enquanto Jesus não viesse, Deus aceitava os sacrifícios de animais como reparação dos pecados do Povo.

Mas quando Jesus veio, pelo sangue de Sua Cruz apagou os pecados da humanidade inteira, dos que viveram antes e depois Dele.

Portanto agora não há mais impedimentos para que as pessoas possam viver em União com Deus. E isto acontece por meio de Jesus Cristo.

Assim como o Povo Eleito entendia e elogiava a Lei, os cristãos, da comunidade de Colossos, fez o Hino Cristológico elogiando Cristo. É a Segunda Leitura.

Vejamos como Jesus é descrito neste Hino:

– Ele, o Filho de Deus (ver Cl 1,13), é imagem de Deus invisível. Logo, se havia gente no antigo Israel se queixando de que a Lei era difícil ou desconhecida, no Novo Testamento ninguém pode dizer que não conhece Deus, porque Ele se torna visível na face de Cristo, imagem de Deus Pai. É Colossenses 1,15a.

 

Ele é o primogênito de toda criação. É o que dizemos no Credo: gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Antes que Deus criasse todas as coisas, todo o mundo, gerou o Filho Único. É Colossenses 1,15b.

mas Deus não gerou o Filho sem antes ter um motivo: porque gerou o Filho foi que Deus criou o mundo. Portanto o mundo existe para o Filho de Deus. Está em Colossenses 1,16.

– pois o Filho existe antes que tudo fosse criado: é Colossenses 1,17a.

– mais ainda: se o Filho não existisse, o mundo “se evaporaria no nada”, porque Deus quis que a existência de tudo dependesse do Filho. É Colossenses 1,17b.

o Filho de Deus formou na terra uma comunidade de pessoas que acreditam no Deus Vivo e Verdadeiro, e igualmente acredita Nele mesmo, no Filho. São os que foram batizados em Seu Nome. São a Igreja, que não pode se separar de Cristo, assim como não se separa o Corpo da Cabeça. Está em Colossenses 1,18a.

o Filho de Deus encarnado no seio da Virgem Maria, foi crucificado, morto e sepultado. Mas ressuscitou dos mortos com a Vida que só Deus tem, a Vida Divina.

Isto nunca tinha acontecido na história da humanidade.

Ele deu início a um Nova Humanidade, uma Nova Criação do gênero humano: a Nova Criação que é a dos ressuscitados com Cristo. É por isso que Colossenses 1,18b diz que Ele foi o “primogênito”, isto é, o primeiro ser humano desta Nova Criação.

Somente os ressuscitados são esta Nova Criação.

Nós somente devemos aguardar nossa ressurreição para entrarmos plenamente nesta Nova Criação, embora já participemos, não plenamente ainda, da Ressurreição de Jesus Cristo por meio do Batismo que recebemos.

– e o mais importante vem agora: tudo isto aconteceu porque na Pessoa de Jesus, Filho de Deus encarnado, Deus quis habitar com toda Sua Divindade. É uma afirmação grandiosíssima, estonteante. Quem pode entender que Deus habite num ser humano? A menos que este ser humano seja também Deus! E Jesus, é Deus porque é Filho de Deus. Tudo isto é o que diz Colossenses 1,19.

e o Filho de Deus cumpre, agora no lugar da Lei antiga, a União com Deus: todos os seres humanos unidos a Jesus Cristo podem ter acesso a Deus e permanecer em União com Ele.

Este é o fim de toda a história: da geração do Filho de Deus antes de criar tudo, da Criação do mundo e da humanidade, até seu fim, quando Jesus voltar no fim dos tempos para nos levar com Ele para Deus. É o que Colossenses 1,20 nos explica.

Os ensinos de Colossenses são grandes neste Hino Cristológico.

Pensemos várias vezes no que este Hino diz, para fortalecer nossa fé. É deste modo que estudamos o centro de nossa fé hoje como no passado o Povo de Israel estudava a Lei de Deus.

Evangelho: Lc 10, 25-37.

Faze isto e viverás (Lc 10,28).

O Evangelho de hoje nos mostra Jesus ensinando como as pessoas podem “viver”. Por que Ele disse isto, “viver”?

A resposta está na conversa de Jesus com um mestre da Lei que quis fazer uma armadilha teológica para Jesus.

Ele perguntou: o que devo fazer para receber em herança a Vida Eterna? (Lc 10,25).

Jesus lhe respondeu que cumprisse a Lei que o Povo de Israel recebera de Deus. E isto lhe bastaria para receber a Vida Eterna. Mas devemos saber que esta Vida Eterna Jesus mesmo daria somente depois que ressuscitasse. Portanto, o que o cumprimento da Lei prometia como a Vida Eterna dependia ainda da morte de Jesus e de sua Ressurreição.

Depois que Jesus resolveu este problema, o mestre da Lei perguntou: quem é meu próximo? (Lc 10,29).

Jesus então lhe contou a parábola do bom samaritano.

Aquele mestre da Lei devia imitar o bom samaritano e saberia que ele mesmo é que seria o próximo do homem que os ladrões quase tinham matado.

Terminada a parábola o mestre da Lei aprendeu uma lição que não sabia antes: quem faz a caridade para alguém é o próximo dele.

Por qual motivo Jesus precisou chegar a este ponto?

É porque aqui estava a resposta à segunda pergunta do mestre da Lei: amarás o teu próximo como a ti mesmo, depois que tinha feito a primeira: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração…. (Lc 10,27).

Assim vemos Jesus ensinando como cumprir a Lei de Moisés que preparava a humanidade para chegar à União com Deus por meio Dele,

– pois Ele é o Filho único, gerado não criado,

– imagem de Deus invisível,

– para Quem toda a Criação foi feita,

– e Quem sustenta a vida de todas as coisas criadas,

– Com Ele toda a Igreja se une

– para merecer a Vida Eterna

– que em Sua Ressurreição Ele conseguiu para nós.

Chegamos ao fim deste comentário à Liturgia da Palavra de hoje, constatando quanta riqueza espiritual Deus nos deu neste dia. Sejamos-Lhe agradecidos, repetindo estas considerações neste dia, em ação de graças. Pela Liturgia da Palavra deste domingo ficamos sabendo como nossa união com Deus se dá através de Seu Filho, Jesus Cristo.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma


Siga-nos: