Liturgia do dia 13/06/2019

Leituras
Sto. Antônio de Pádua PresbDr, memória
2Cor 3,15-4,1.3-6
Sl 84(85),9ab-10.11-12.13-14 (R/. cf. 10b)
Mt 5,20-26

10ª Semana do Tempo Comum

Quinta-Feira

Primeira Leitura: 2Cor 3,15-4,1.3-6

15 Sim, até o dia de hoje, cada vez que leem os escritos de Moisés, um véu está sobre os seus corações. 16Mas só pela conversão ao Senhor é que o véu será tirado. 17Porque o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. 18Por isso, todos nós que, de rosto descoberto, refletimos a glória do Senhor como num espelho, somos transformados em sua imagem com um esplendor cada vez maior, porque é o Espírito do Senhor quem realiza isto. 4.1Por esta razão nós, que por misericórdia fomos encarregados deste ministério, não desanimamos. 3E se acontece que o nosso Evangelho ainda está encoberto, está encoberto só para os que se perdem, 4os incrédulos. O deus deste mundo cegou suas inteligências, para que não vejam claramente a luz do Evangelho, da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus. 5E nós não anunciamos a nós mesmos, mas anunciamos a Jesus Cristo Senhor, e nos consideramos vossos servidores por causa de Jesus. 6Pois o Deus, que disse: “Das trevas brilhe a luz”, é quem fez brilhar sua luz em nossos corações, para manifestar a luz do conhecimento da glória de Deus, que se reflete na face de Cristo.

 

Salmo: Sl 84(85),9ab-10.11-12.13-14 (R/. cf. 10b)

R.: A glória do Senhor habitará em nossa terra.

9Escuto o que nos diz o Senhor Deus: é sem dúvida a paz que ele promete. A paz para o seu povo e seus amigos. 10Perto está, seu auxílio dos que o temem, e a glória habitará em nossa terra.

11O Amor e a Verdade hão de encontrar-se, pois a Justiça e Paz se oscularão. 12Da terra brotará fidelidade, a justiça do céu se inclinará.

13O Senhor nos dará a sua bênção, e nossa terra então dará seu fruto. 14Eis que a justiça irá à frente dele, virá no seu encalço a salvação.

Evangelho: Mt 5,20-26

20Porque eu vos digo: se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos céus. 21Ouvistes o que foi dito aos antepassados: Não matarás! pois quem matar será responsável em juízo. 22Mas eu vos digo: Quem tiver raiva do seu irmão será responsável em juízo; quem o chamar de ‘imbecil’ será responsável diante do tribunal superior; e quem o chamar de ‘excomungado’ merecerá o castigo do fogo da geena. 23 Se estiveres para apresentar a tua oferta ao pé do altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem qualquer coisa contra ti, 24 1arga tua oferta diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão. Então voltarás, para apresentar a tua oferta. 25Faze depressa as pazes com teu adversário enquanto estás a caminho com ele, para que o adversário não te entregue ao juiz e o juiz à policia, e então serás lançado à cadeia. 26Eu vos declaro esta verdade: de lá não sairás enquanto não pagares o último centavo.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

“Em verdade eu te digo: dali [da prisão] não sairás enquanto não pagares o último centavo”. (Mt 5,26).

Este é um exemplo dos ensinos radicais de Jesus a seus discípulos e a nós que hoje ouvimos este Evangelho.

Por que Jesus foi tão radical a ponto de lembrar que toda dívida deve ser paga rigorosamente até o último centavo? Não seria um exagero?

Não se trata de exagero.

Jesus está falando da justiça divina.

Deus é justo cem por cento. Não é justo noventa e nove por cento.

Não seria crueldade de Deus fazer tais exigências?

Não se trata de crueldade.

Trata-se de Justiça Divina perfeitíssima, e perfeitíssima porque brota do amor perfeitíssimo de Deus pelos seus filhos e filhas. Deus não se contenta em fazer justiça a seus amados apenas pela metade ou noventa e nove por cento. Portanto Deus é justo por amor.

Entender a justiça-amor de Deus por suas criaturas muda nosso modo de entender Deus e Seu Reino. Deste modo, não se trata de conformar-se com uma justiça divina cem por cento perfeita, mas de acolhê-la como salvadora. De fato é Deus a nossa justiça, contra inimigos que nesta vida encontramos: em nós mesmos por causa de nossos pecados, em outras pessoas que não aceitam nossa fé, em pessoas que promovem contra nós todo tipo de mal contra toda justiça etc.

Amemos a justiça perfeita de Deus e Lhe demos graças por ser assim.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma


Siga-nos: