Liturgia do dia 16/05/2019

Leituras
At 13,13-25
Sl 88(89),2-3.21-22.25.27 (R/. cf. 2a)
Jo 13,16-20

4ª Semana da Páscoa

Quinta-Feira

Primeira Leitura: At 13,13-25

13Embarcando em Pafos, a caravana de Paulo chegou a Perge, na Panfília. Mas ali. João separou-se deles para voltar a Jerusalém. 14Os outros, entretanto, foram além de Perge e chegaram a Antioquia da Pisídia. Num sábado, entraram na sinagoga e sentaram-se. 15Acabada a leitura da Lei e dos Profetas, os chefes da sinagoga mandaram lhes dizer: “Irmãos, se tendes alguma palavra para exortar o povo, podeis falar”. 16Então Paulo se levantou, fez sinal com a mão e disse: “Homens de Israel e todos os que temeis a Deus, escutai! 17O Deus deste povo de Israel escolheu nossos pais e multiplicou o povo, enquanto habitava no Egito. Depois, os tirou de lá com grande poder. 18Por quarenta anos mais ou menos, alimentou-os no deserto. 19Em seguida, na terra de Canaã, exterminou sete povos; cujos domínios lhes deu em herança, 20depois de uns quatrocentos e cinquenta anos. Então lhes deu Juízes, até o tempo do profeta Samuel. 21Em seguida, pediram um rei e Deus lhes deu Saul, filho de Cis, da tribo de Benjamim, que reinou quarenta anos. 22Depois de o ter rejeitado, o Senhor fez surgir Davi como rei. Dele é que deu este testemunho: Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que cumprirá integralmente a minha vontade. 23Foi de sua descendência que Deus fez sair Jesus, o Salvador de Israel, conforme a sua promessa. 24Precedendo sua vinda, João tinha proclamado a todo o povo de Israel a mensagem do batismo de conversão. 25Quando João estava para encerrar a sua missão, declarou: ‘Quem pensais que eu seja? Eu não sou esse tal. Mas depois de mim virá aquele a quem não sou digno de desamarrar as correias das sandálias’.



Salmo: Sl 88(89),2-3.21-22.25.27 (R/. cf. 2a)

R.: Senhor, cantarei sempre a tua graça o teu amor!

2 Senhor, cantarei sempre a tua graça, direi às gerações quanto és fiel; 3 a tua graça é firme como a terra; tua fidelidade, como o céu.

21 eu encontrei Davi, meu servidor, ungi-o com o meu óleo consagrado; 22para que minha mão fosse com ele, e sempre fosse forte por meu braço.

25Com ele a minha graça e lealdade, por mim se exaltará o seu poder. 27A mim ele dirá: ‘Tu és meu Pai, meu Deus e meu rochedo salvador!’.



Evangelho: Jo 13,16-20

16Eu vos afirmo e esta é a verdade: não é o servidor maior que seu patrão, nem o enviado maior que aquele que o envia. 17 Já que sabeis disto, sereis felizes se o praticardes. 18Não o digo de todos vós, conheço aqueles que escolhi; mas é preciso que se cumpra a Escritura: Aquele que come meu pão levantou contra mim seu calcanhar! 19Desde já, antes que aconteça, eu vos digo, para que, quando acontecer, creiais que eu sou. 20Eu vos afirmo e esta é a verdade: quem receber aquele que eu envio, estará também me recebendo; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou”.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

… o mensageiro não é maior do que Aquele que o enviou … (Jo 13,16d).

… quem recebe aquele que eu enviar, Me recebe a Mim.

E quem Me recebe, recebe Aquele que Me enviou. (Jo 13,20c).

Jesus, neste Evangelho, engrandece a missão que dará a seus discípulos, os doze apóstolos.

Eles não são meros voluntários de uma entidade puramente humana.

Eles são representantes Dele mesmo, e, assim, enviados por Deus.

É por meio deles que Deus chegará ao mundo.

Maior elogio a seus discípulos Jesus não poderia ter feito.

Confirmados por esta afirmação de Jesus, os apóstolos darão a própria vida pela missão que Dele receberam.

Entendamos do mesmo modo os que hoje em dia Deus chama para o serviço do Evangelho na Igreja. São pessoas escolhidas, apesar de suas limitações, para a mesma tarefa que Jesus deu a seus apóstolos.

Isto não quer dizer que todos os enviados por Jesus sejam todos perfeitos e santos. Infelizmente a natureza humana tem si a marca do pecado. Não foi o que Jesus falou sobre aquele seu discípulos, Judas, muitas vezes enviado com os demais para anunciar o Evangelho, mas que terminou por traí-Lo?

Entre os enviados por Jesus Cristo há pessoas santas e menos santas, santos e pecadores. Sejamos realistas, não atribuindo a Jesus Cristo as falhas humanas de seus enviados. Se Ele admitiu um Judas entre seus discípulos, disto tirou proveito e ensino para toda a Igreja: diante do pecado dos homens vencem a sabedoria e misericórdia de Deus.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma


Siga-nos: