Liturgia do dia 22/04/2019

Leituras
At 2,14.22-32
Sl 15(16),1-2a.5.7-8.9-10.11 (R/. 1)
Mt 28,8-15

2ª-Feira na Oitava da Páscoa

Segunda-Feira

Primeira Leitura:At 2,14.22-32

14Então Pedro, de pé e cercado pelos Onze, em voz bem alta lhes falou: “Homens da Judeia e vós todos, habitantes de Jerusalém! Ficai sabendo bem o que se passa e prestai atenção às minhas palavras. 22Homens de Israel, escutai o que digo: Jesus de Nazaré foi o homem credenciado por Deus junto a vós com poderes extraordinários, milagres e prodígios. Bem sabeis as coisas que Deus realizou através dele no meio de vós. 23Ora, de acordo com o plano bem definido e previsto por Deus, foi entregue às mãos dos ímpios e vós o crucificastes e matastes. 24Mas Deus o ressuscitou, livrando-o da escravidão da morte. De fato, não era possível que a morte o retivesse em seu poder; 25porque diz Davi a respeito dele: Sempre tive o Senhor presente diante de mim. Ele está à minha direita, para que eu não fique perturbado. 26 Por isso meu coração ficou contente e minha língua cantou de alegria e minha própria carne repousará na esperança. 27 É que não abandonarás a minha vida na mansão dos mortos, nem permitirás que teu Santo sofra a decomposição. 28Deste-me a conhecer os caminhos da vida, e tu me encherás de alegria em tua presença. 29Meus irmãos! Que eu vos possa falar com franqueza a respeito do nosso patriarca Davi: ele morreu, foi sepultado e até hoje seu túmulo se acha entre nós. 30 Sendo profeta, ele sabia que Deus tinha firmado com juramento a promessa de elevar ao seu trono um dos seus descendentes. 31Neste caso foi a ressurreição de Cristo que ele tinha visto com antecedência e anunciado, quando disse que não seria abandonado na mansão dos mortos, nem sua carne experimentaria a corrupção. 32Foi a este Jesus que Deus ressuscitou. E disso todos nós somos testemunhas.

Salmo: Sl 15(16),1-2a.5.7-8.9-10.11 (R/. 1)

R.: Guarda-me, ó Deus, em ti busco refúgio!

1Guarda-me, ó Deus, em ti busco refúgio. 2Disse ao Senhor: “És tu o meu Senhor; não tenho outra alegria além de ti!”. 5Porção da minha herança e do meu cálice, és tu, Senhor, que guardas meu quinhão.

7Bendigo a Deus porque ele me inspirou, fala-me o coração mesmo de noite. 8Ponho sempre o Senhor diante dos olhos; não posso resvalar; se o tenho ao lado.

9Meu coração se alegra e exulta a alma; repousará meu corpo em grande paz. 10Não deixarás minh’alma entregue à morte, nem corromper-se o corpo do teu servo.

11O caminho da vida tu me ensinas, viver junto de ti é pleno gozo, delícia eterna estar à tua destra!

Evangelho: Mt 28,8-15

8Deixando logo o sepulcro, ainda a tremer mas muito alegres, correram a levar a notícia aos discípulos. 9E aconteceu que Jesus foi ao encontro delas e disse: “Alegrai-vos!”. Elas chegaram perto dele, abraçaram seus pés e o adoraram. 10 Jesus então lhes falou: “Deixai esse medo! Ide e comunicai aos meus irmãos que sigam para a Galileia. E lá me verão”. Suborno dos guardas. 11Elas estavam a caminho, quando alguns dos guardas foram à cidade relatar aos sacerdoteschefes tudo o que tinha acontecido. 12Eles se reuniram com os anciãos e decidiram dar aos soldados uma boa quantia de dinheiro, 13com esta recomendação: “Dizei: ‘Os seus discípulos foram de noite roubar o corpo, enquanto estávamos dormindo!’ 14E se por acaso isso chegar aos ouvidos do governador, nós o convenceremos que foi assim mesmo e tudo faremos para não serdes inquietados”. 15Os soldados pegaram o dinheiro e agiram conforme as instruções recebidas. Mas esse boato se espalhou entre os judeus e perdura até o dia de hoje.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão (Mt 28,10b).

 

            Nos oito dias depois da Páscoa a Liturgia da Palavra nos recorda sempre a Ressurreição de Jesus em seus diferentes aspectos, com diferentes narrativas. Portanto esta oitava é toda dedicada à meditação sobre a Ressurreição de Jesus.

 

            No Evangelho de hoje Jesus aparece às mulheres que viram o túmulo vazio e saíram para avisar os discípulos. Ele lhes dá uma ordem: Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão.

            Sabemos que as mulheres foram levar aos apóstolos esta mensagem de Jesus. Ao que parece, segundo São Mateus, Jesus somente apareceu às mulheres, e aos discípulos somente mais tarde, na Galileia.

 

            Mas sabemos, também, pelos outros Evangelhos, que Jesus apareceu a São Pedro e depois a todos os discípulos em Jerusalém. Como, então, São Mateus diz que Jesus manda aos discípulos que se dirijam à Galileia porque é lá que o verão ressuscitado?

A resposta é simples: para o caso próprio do Evangelho de São Mateus importava dizer que Jesus apareceu às mulheres perto do sepulcro. E que apareceu aos discípulos somente na Galileia.

Os outros evangelistas narram as aparições de Jesus ainda em Jerusalém e depois em outros lugares. Isto se explica pela intenção que tinham: cada evangelista quis salientar um aspecto das aparições de Jesus. Para esclarecer isto é bom ler a nota que a Bíblia de Jerusalém traz para explicar Mt 20,10.

O Evangelho de São Mateus continua, no trecho lido hoje, dizendo que os guardas romanos foram relatar aos sumos sacerdotes o desaparecimento do corpo de Jesus. E que os sumos sacerdotes lhes deram dinheiro para mentirem, dizendo que os discípulos tinham roubado o corpo de Jesus. Portanto, não queriam admitir a Ressurreição de Jesus de forma alguma.

E o Evangelho de São Mateus termina com estas palavras:

E assim o boato se espalhou entre os judeus até o dia de hoje (Mt 28,15c).

Este foi o modo utilizado por São Mateus para dizer o motivo pelo qual os judeus não aceitaram a Ressurreição de Jesus até hoje, isto é, até o dia em que São Mateus acabou de escrever seu Evangelho.

Mas “até hoje” continua válido até nossos dias.

De fato os judeus não aceitam que Jesus Cristo ressuscitou. Caso contrário teriam que admitir que Ele é o Messias prometido nas Escrituras.

A nós não importa se os judeus ainda hoje não creem em Jesus.

Mas o que importa é nossa fé no testemunho dos discípulos, mantida por nós em Igreja. Continuemos, portanto, a festejar a Ressurreição de Jesus com a alegria dos primeiros cristãos.



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.     


Siga-nos: