Liturgia do dia 20/04/2019

Leituras
1. Gn 1,1-2,2 ou mais breve: 1,1.26-31a
Sl 103(104),1-2a.5-6.10.12.13-14.24.35c
(R/. cf. 30) ou
Sl 32(33),4-5.6-7.12-13.20.22 (R/. 5b)
2. Gn 22,1-18 ou mais breve: 22,1-2.9a.10-13.15-18
Sl 15(16),5.8.9-10.11 (R/. 1a)
3. Ex 14,15-15,1
Cânt.: Ex 15,1-2.3-4.5-6.17-18 (R/. 1a)
4. Is 54,5-14
Sl 29(30), 2.4.5-6.11.12a.13b (R/. 2a)
5. Is 55,1-11
Cânt.: Is 12,2-3.4bcd.5-6 (R/. 3)
6. Br 3,9-15.32-4,4
Sl 18(19),8.9.10.11 (R/. Jo 6, 68c)
7. Ez 36,16-17a.18-28
Sl 41(42),3.5bcd; Sl 42(43),3.4 (R/. 3a)
ou quando há batismos:
Is 12,2-3.4bcd.5-6 (R/. 3) ou
Sl 50(51),12-13.14-15.18-19 (R/. 12a)
Epístola: Rm 6,3-11
Sl 117(118) 1-2.16ab-17.22-23
Evangelho: Lc 24,1-12

Sábado Santo

Sábado

Primeira Leitura: 

1 1No princípio Deus criou o céu e a terra. 2A terra, porém, estava informe e vazia, e as trevas cobriam o Abismo, mas o espírito de Deus pairava por sobre as águas. 3Disse Deus: “Haja luz”. E houve luz. 4Viu Deus que a luz era boa; e Deus separou a luz das trevas. 5Deus chamou a luz “dia”, e as trevas, “noite”. Houve tarde e houve manhã: um primeiro dia. 6Disse Deus: “Haja um firmamento no meio das águas, para separar umas das outras”. E assim se fez. 7Deus fez o firmamento que separou as águas que estão debaixo do firmamento daquelas que estão por cima do firmamento. E assim se fez. 8Deus chamou o firmamento “céu”. Houve tarde e houve manhã: um segundo dia. 9Disse Deus: “Juntem-se num só lugar as águas que estão debaixo do céu, e apareça o elemento seco”. E assim se fez. 10Deus chamou o elemento seco “terra”, e o ajuntamento das águas chamou “mares”. E Deus viu que isso era bom. 11Disse Deus: “Verdeje a terra como que é verdejante, ervas que produzam sementes e árvores frutíferas que deem suas espécies de frutos nos quais está contida a semente, por sobre a terra”. E assim se fez. 12A terra produziu o que é verdejante, ervas que contêm semente conforme sua espécie e árvores frutíferas com suas espécies de frutos nos quais está contida a semente. E Deus viu que isso era bom. 13Houve tarde e houve manhã: um terceiro dia. 14Deus disse: “Haja luzeiros no firmamento dos céus para separar o dia da noite. Sirvam eles de sinais para as estações, os dias e os anos. 15 Sejam eles no firmamento dos céus os luzeiros que iluminem a terra”. E assim se fez. 16Deus fez os dois grandes luzeiros: o luzeiro maior, para dominar o dia, e o luzeiro menor, para dominar a noite, e as estrelas. 17Deus os colocou no firmamento do céu para iluminar a terra, 18para que presidissem ao dia e à noite e para que separassem a luz das trevas. E Deus viu que assim era bom. 19E houve tarde e houve manhã: um quarto dia. 20Deus disse: “Pululem as águas de seres animados e voem as aves por sobre a terra, debaixo do firmamento do céu”. E assim foi feito. 21Deus criou os grandes monstros do mar e todos os seres animados que deslizam pelas águas, de cujas diferentes espécies pululam as águas, como também todas as espécies de seres alados. E Deus viu que assim era bom. 22Deus os abençoou dizendo: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei as águas do mar; multipliquem-se também as aves sobre a terra”. 23Houve tarde e houve manhã: um quinto dia. 24Disse também Deus: “Produza a terra seres vivos de diferentes espécies: animais domésticos, animais rasteiros e animais selvagens de diferentes espécies”. E assim foi feito. 25E Deus fez as diferentes espécies de animais selvagens, de animais domésticos e de animais rasteiros da terra. E Deus viu que assim era bom. 26Por fim Deus disse: “Façamos o Homem à nossa imagem, como nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, todos os animais selvagens e todos os répteis que rastejam sobre a terra”. 27E Deus criou o Homem à sua imagem; à imagem de Deus Ele o criou; homem e mulher Ele os criou. 28Deus os abençoou dizendo: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a; dominai sobre os peixes do mar, as aves do céu e todos os animais que rastejam sobre a terra”. 29Deus disse; “Eu vos dou por alimento toda planta que contém semente sobre a superfície de toda a terra, e todas as árvores frutíferas que contêm semente: isso vos sirva de alimento. 30A todos os animais selvagens, a todas as aves do céu e a tudo o que rasteja sobre a terra animado de sopro de vida, dou, para que se alimentem, as plantas verdes”. E assim se fez. 31Deus viu tudo o que fizera, e eis que estava muito bom. Houve tarde e houve manhã: um sexto dia. 2 1Assim foram terminados o céu e a terra, e todo o seu exército. 2Terminou Deus no sétimo dia toda a obra que fizera, e descansou no sétimo dia de toda a obra que havia feito.

Salmo: Sl 103(104),1-2a.5-6.10.12.13-14.24.35c (R/. cf. 30)

R.: Envias teu espírito, e renascem, e eis que a face da terra tu renovas.

1Bendize o teu Senhor, ó minha alma! Ó meu Deus e Senhor, tu és, tão grande! De glória e de esplendor estás vestido, 2 envolvido na luz como num manto.

5Firmaste a terra sobre os alicerces, inabalável pelo tempo afora. 6O oceano a recobria como veste, as águas se moviam sobre os montes.

10Fazes brotar nos vales as nascentes, que correm serpeando entre as colinas. 12Aves do céu acampam junto delas erguem por entre os ramos suas vozes.

13Do teu palácio regas as montanhas, sacias com teu gesto a terra inteira. 14Fazes brotar a relva para o gado e as plantas cultivadas pelo homem. E eis que ele retira o pão da terra, e o vinho que lhe alegra o coração.

24Numerosas, Senhor, as tuas obras. Quanta sabedoria em todas elas! Enchem a terra as tuas criaturas! Tu bendize o Senhor, ó minha alma!

Segunda Leitura: Gn 22,1-18

1Após esses acontecimentos, provou Deus a Abraão, e clamou: “Abraão! Abraão!”. “Eis-me aqui”, respondeu-lhe. 2E Deus continuou: “Toma teu filho, teu único filho, que tanto amas, Isaac, e vai à região de Moriá e lá oferecê-lo-ás em holocausto sobre um dos montes que te indicarei”. 3De madrugada Abraão levantou-se, selou seu jumento, tomou consigo dois de seus servos, e seu filho Isaac; cortou lenha para o holocausto, e partiu para o lugar que Deus lhe indicara. 4No terceiro dia, Abraão levantou os olhos e viu de longe o lugar. 5Abraão disse então a seus servos: “Ficai aqui, com o jumento, enquanto eu e o menino vamos até lá para adorar; depois voltaremos”. 6Abraão tomou a lenha para o holocausto e a colocou sobre os ombros de seu filho Isaac, enquanto ele levava o fogo e a faca. Assim caminhavam lado a lado. 7 Isaac dirigiu-se a Abraão: “Pai!”. Respondeu ele: “Eis-me aqui, meu filho!”. Isaac continuou: “Aqui estão o fogo e a lenha, mas onde se acha o cordeiro para o holocausto?”. 8Respondeu Abraão: “Deus providenciará o cordeiro, meu filho!”, e continuaram a caminhar lado a lado. 9Tendo chegado ao lugar que Deus lhe designara, erigiu Abraão um altar, preparou a lenha e, amarrando seu filho Isaac, colocou-o sobre a lenha em cima do altar. 10Estendeu a mão e pegou a faca para sacrificar o filho. 11Mas o Anjo de Javé chamou-o do céu dizendo: “Abraão! Abraão!”. Respondeu ele: “Eis-me aqui!”. 12E disse o Anjo: “Não levantes tua mão contra o menino e não lhe faças mal algum! Agora sei que verdadeiramente temes a Deus, pois não me recusaste teu filho, teu filho único”. 13E levantando os olhos viu Abraão um carneiro com os chifres presos num espinheiro; foi buscá-lo e sacrificou-o em lugar de seu filho, oferecendo-o em holocausto. 14Abraão chamou aquele lugar “Javé providenciará”; por isso se diz ainda hoje em dia: “Sobre a montanha Javé providenciará”. 15O Anjo de Javé chamou Abraão uma segunda vez do céu 16e lhe disse: “Juro-te por mim mesmo, palavra de Javé, pois que tal coisa fizeste, e não me recusaste teu filho, teu único filho, 17 eu te cumularei de bênçãos e tornarei tua descendência tão numerosa como as estrelas do céu e a areia que está na praia do mar. E tua descendência se apoderará das Portas de seus inimigos. 18Todas as nações da terra serão abençoadas por meio de tua descendência, porque obedeceste à minha voz”.

Salmo: Sl 15(16),5.8.9-10.11 (R/. 1a)

R.: Guarda-me, ó Deus, em ti busco refúgio.

5Porção da minha herança e do meu cálice, és tu, Senhor, que guardas meu quinhão. 8Ponho sempre o Senhor diante dos olhos; não posso resvalar; se o tenho ao lado.

9Meu coração se alegra e exulta a alma; repousará meu corpo em grande paz. 10Não deixarás minh’alma entregue à morte, nem corromper-se o corpo do teu servo.

11O caminho da vida tu me ensinas, viver junto de ti é pleno gozo, delícia eterna estar à tua destra!

Terceira Leitura: Ex 14,15-15,1

15 Javé disse a Moisés: “Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que se ponham a caminho. 16 E tu, levanta o bastão e estende a mão sobre o mar. Assim dividi-lo-ás para que os filhos de Israel entrem pelo meio do mar de pés enxutos. 17Quanto a mim, endurecerei o coração dos egípcios para que eles entrem atrás deles. E Eu serei glorificado à custa de Faraó e de todo seu exército, de seus carros e de seus cavaleiros. 18E os egípcios saberão que Eu sou Javé, quando Eu me glorificar à custa de Faraó, de seus carros e de seus cavaleiros”. 19O Anjo de Deus, que caminhava à frente do acampamento de Israel, mudou de posição e foi caminhar atrás deles. Moveu-se também a coluna de nuvem, saindo da frente e postando-se atrás deles. 20Ela veio colocar-se entre o acampamento dos egípcios e o de Israel. A nuvem era escura do lado dos egípcios; mas, luminosa, clareava a noite do lado do acampamento de Israel. Assim, durante toda a noite não puderam se aproximar uns dos outros. 21Moisés estendeu a mão sobre o mar, Javé o fez recuar por um forte vento do oriente, soprando a noite toda. Assim transformou o mar em terra firme e dividiram-se as águas. 22Os filhos de Israel entraram pelo meio do mar de pés enxutos enquanto as águas formavam muralhas à direita e à esquerda. 23Os egípcios, que os perseguiam, entraram atrás deles mar adentro: toda a cavalaria de Faraó, seus carros e seus cavaleiros. 24Na vigília da manhã olhou Javé para o acampamento dos egípcios. E do alto da coluna de fogo e da nuvem, lançou a confusão no acampamento dos egípcios: 25Ele lhes entravou as rodas dos carros, de modo que só podiam avançar com dificuldade. Exclamaram então os egípcios: “Fujamos de Israel, pois Javé combate por eles contra o Egito!”. 26Disse Javé a Moisés: “Estende tua mão sobre o mar, para que as águas voltem sobre os egípcios, seus carros e seus cavaleiros”. 27Moisés estendeu a mão sobre o mar, e ao romper da manhã o mar tinha voltado ao seu nível normal. Os egípcios, ao fugirem, se engolfaram nele, e Javé precipitou os egípcios no meio do mar. 28Voltando em seu refluxo, as águas cobriram os carros e os cavaleiros de todo o exército de Faraó, que tinham entrado no mar em perseguição aos filhos de Israel: não escapou nenhum deles. 29Os filhos de Israel, porém, passaram pelo meio do mar de pés enxutos: as águas lhes faziam uma muralha à direita e à esquerda. 30Foi assim que, nesse dia, Javé salvou Israel da mão dos egípcios, e Israel pôde ver os egípcios mortos sobre a praia do mar. 31 Israel viu a grande potência com que Javé operou contra os egípcios. E o povo temeu a Javé, e creu em Javé e em Moisés, seu servo. 15  1Então Moisés e os filhos de Israel entoaram a Javé este cântico, dizendo:

 

Salmo: Cânt.: Ex 15,1-2.3-4.5-6.17-18 (R/. 1a)

R.: Cantarei a Javé, porque se exaltou soberanamente.

“Cantarei a Javé, porque se exaltou soberanamente, precipitando no mar a cavalos e cavaleiros! 2 Javé é minha força e o meu cântico. Ele tornou-se a minha salvação. Ele é meu Deus, eu O glorificarei; o Deus de meu pai, eu O exaltarei.

3 Javé é como um guerreiro; seu Nome é Aquele-Que-É. 4Arremessou ao mar os carros de Faraó e o seu exército, afundou os melhores dos seus combatentes no Mar dos Juncos.

5Os abismos os cobrem, eles desceram as profundezas como pedras. 6Tua direita, Javé, é admirável pela força, tua direita, Javé, esmaga o inimigo.

17És Tu quem os conduzirá, Tu quem os plantará na montanha de tua herança, no lugar do qual fizeste, Javé, a tua Habitação, no Santuário, ó Senhor, que tuas mãos estabeleceram, 18 Javé reina eternamente e para sempre!”.

Quarta Leitura: Is 54,5-14

5Porque teu esposo é aquele que te fez, cujo Nome é Javé dos exércitos; teu Redentor será o Santo de Israel, que se chama o Deus de toda a terra. 6Como mulher desolada e aflita, Javé te chama. “Repudiar-se-á a mulher de sua mocidade?”, diz Javé. 7Abandonei-te por curto tempo, mas, cheio de compaixão, te recolherei. 8Num ímpeto de ira, num instante, eu te escondi minha face. Mas em eterno amor apiedei-me de ti, diz Javé, teu Redentor. 9Comigo sucede como no tempo de Noé; como jurei que as águas de Noé não submergiriam mais a terra, juro agora de não irritar-me contra ti nem de ameaçar-te. 10Podem os montes mover-se e as colinas abalar-se; meu amor para contigo não se retirará, e minha aliança de paz não se abalará, diz Javé, compadecido de ti! 11Pobre, fustigada pela tempestade, desconhecida! Porei tuas pedras sobre malaquita e tuas bases sobre safiras. 12Farei tuas ameias de rubis, tuas portas de cristal, e todo o teu perímetro de pedras preciosas. 13Teus filhos serão instruídos por Javé: grande será a paz de teus filhos. 14 Serás fundada sobre a justiça, ao abrigo da opressão, pois nada temerás; ao abrigo do terror, porque este não virá.

Salmo: Sl 29(30), 2.4.5-6.11.12a.13b (R/. 2a)

R.: Eu te exalto, Senhor, porque me ergueste!

2Eu te exalto, Senhor, porque me ergueste e não deixaste rir meus inimigos. 3Por ti, Senhor meu Deus, foi que clamei, e devolveste então minha saúde. 4Retiraste do abismo a minha alma reanimaste, Senhor, a minha vida, dos que descem à cova me tiraste.

5Vós, fiéis do Senhor, salmodiai; ao seu nome, que é santo, rendei graças! 6Dura um momento só a sua cólera, mas a sua bondade, a vida toda. Se o pranto vem à noite visitar-nos, ressurge de manhã nossa alegria.

11Tem compaixão de mim, Senhor, escuta-me e sejas, ó meu Deus, o meu amparo! 12Tu transformaste em festa as minhas lágrimas.13Louvar-te-ei, Senhor, eternamente.

Quinta Leitura: Is 55,1-11

1Vós, sedentos, vinde à água; mesmo sem ter dinheiro, vinde! Comprai trigo e comei sem dinheiro, e sem pagar, vinho e leite! 2Por que gastar dinheiro com o que não é pão, e vosso salário no que não satisfaz? Ouvi-me, e comereis boas coisas; e vos deleitareis com deliciosas iguarias. 3Ouvi, e vinde a mim; escutai, e vossa alma viverá. Concluirei convosco uma eterna aliança, feita das graças prometidas a Davi. 4Dele fiz uma testemunha para os povos, um chefe e mestre para as nações. 5Chamarás povos que não conhecias, e desconhecidos acorrerão a ti. Por causa de Javé, teu Deus, e do Santo de Israel que te glorificou. 6Buscai a Javé enquanto pode ser achado, invocai-o enquanto está próximo. 7O mau abandone seu caminho, e o criminoso, os seus pensamentos. Que se converta a Javé, que lhe perdoará; ao nosso Deus, generoso no perdão. 8Vossos pensamentos não são os meus, e meus caminhos não são os vossos, oráculo de Javé. 9Alto é o céu, sobre a terra, altos os meus caminhos, acima dos vossos, e meus pensamentos acima dos vossos. 10Como a chuva e á neve descem dos céus e não voltam mais para lá sem ter embebido a terra, fecundando-a e fazendo-a germinar, para que ela dê a semente ao semeador e o pão comestível, 11da mesma maneira, a Palavra que sai de minha boca não retorna a mim sem resultado, sem ter feito o que eu queria e conseguido êxito na sua missão.

Salmo: Cânt.: Is 12,2-3.4bcd.5-6 (R/. 3)

R.: Com alegria haurireis a água nas fontes da salvação.

2Eis o Deus de minha salvação, confio e não temo: Javé é minha força e meu canto, a minha salvação!”. 3Com alegria haurireis a água nas fontes da salvação.

4Direis, naquele dia: “Louvai a Javé, invocai seu Nome! Entre os povos anunciai suas maravilhas! Proclamai que seu Nome é sublime

5Cantai a Javé, que mostrou sua grandeza! Que se publique por toda a terra! 6Clama de alegria e júbilo, habitante de Sião! É grande, entre vós, o Santo de Israel!”.

Sexta Leitura: Br 3,9-15.32-4,4

9 Israel, ouve os preceitos da vida, escuta para conhecer a sabedoria! 10 Israel, por que estás em pais inimigo? Envelheces em terra estrangeira? 11Foste manchado com os mortos, contado entre os que desceram ao Hades? 12Abandonaste a fonte da sabedoria! 13 Se tivesses andado no caminho de Deus, gozarias de paz perene. 14Aprende onde está a sabedoria, onde a força, onde a inteligência: conhecerás a longevidade, a luz dos olhos e a paz. 15Quem descobriu seu paradeiro? Quem penetrou nos seus tesouros? 32Aquele que sabe tudo a conhece, descobriu-a graças à sua inteligência; Aquele que criou a terra para sempre encheu-a de animais quadrúpedes. 33Ele dá ordens à luz, e ela sai correndo, chamou-a, ela lhe obedeceu, tremendo. 34As estrelas brilharam alegres em suas guaritas; 35Ele as chamou e disseram: “Às ordens!”, e brilharam jubilosas para seu Criador. 36Este é o nosso Deus, nenhum igual a ele. 37Examinou a senda da sabedoria, fez Jacó, seu servo, conhecê-la, e Israel, seu amado. 38Depois, apareceu sobre a terra e habitou entre os homens. 4 1 Ela é o livro dos preceitos de Deus, a Lei que dura para sempre: os que a abandonaram provam a morte. 2Volta, Jacó, e apossa-te dela, dirige-te para o esplendor sob sua luz! 3Não cedas a outro a tua glória e a um povo estranho os teus privilégios! 4Felizes somos, Israel: pois conhecemos o que agrada a Deus!

Salmo: Sl 18(19),8.9.10.11 (R/. Jo 6, 68c)

R.: Senhor, Tu tens palavras de vida eterna.

8 Sim, a lei do Senhor é sem defeito, ela conforta a alma. Seguro é o testemunho do Senhor, torna sábios os simples.

9As normas do Senhor são todas justas, ao coração alegram. É reto o mandamento do Senhor, clareia os nossos olhos.

10O temor do Senhor é o que há de puro, para sempre nos firma. São os seus julgamentos verdadeiros, todos eles justiça.

11Eles são mais que o ouro desejáveis, mais que o ouro mais fino São ainda mais doces do que o mel, do que escorre dos favos.

Sétima Leitura: Ez 36,16-17a.18-28

16Foi-me dirigida a palavra de Javé: 17Filho do homem, quando os israelitas moravam em seu território, poluíram-no com sua conduta e suas más ações. 18Despejei sobre eles meu furor, por causa do sangue que derramaram sobre a terra e os ídolos com que se poluíram. 19Dispersei-os entre as nações; por diversos países ficaram espalhados. Assim os puni, de acordo com seu procedimento e suas más ações. 20A qualquer povo aonde eles iam, ali profanavam meu santo Nome. Dizia-se a respeito deles: “Aqueles pertencem ao povo de Javé e saíram de sua terra”. 21Condoí-me de meu santo Nome, que os israelitas desonraram no meio das nações, nas quais se encontravam. 22Por isso, dize o seguinte à casa de Israel: Assim fala o Senhor Javé: Não é por amor a vós, casa de Israel, que estou agindo, mas por causa de meu Nome santo, que vós desonrastes no meio das nações, entre as quais vos encontrais. 23Manifestarei a santidade de meu grande Nome, profanado entre as nações, o qual vós desonrastes no meio delas. As nações reconhecerão que eu sou Javé — oráculo do Senhor Javé — quando eu manifestar em vós minha santidade, à sua vista. 24Então vos tirarei do meio das nações e vos juntarei dos diversos países e vos reconduzirei à vossa terra. 25Aspergirei água pura sobre vós e ficareis purificados; de todas as vossas imundícies e de todas as vossas idolatrias eu vos purificarei. 26Dar-vos-ei um coração novo e porei em vosso peito um espírito novo. Tirarei de vosso corpo o coração de pedra e vos darei um coração de carne. 27 Infundir-vos-ei o meu espírito e farei que procedais segundo os meus preceitos, observeis e ponhais em prática os meus mandamentos. 28Dar-vos-ei, como moradia, a terra de vossos pais; sereis meu povo e serei vosso Deus.

 

Salmo: Sl 41(42),3.5bcd; Sl 42(43),3.4 (R/. 3a)

R.: A minh’alma tem sede de ti, Deus vivo!

41 3Ela tem sede de ti, Deus vivo; quando verei a tua face?

41 5 Com saudade lembro o meu tempo na multidão: peregrinava de Deus ao templo, ó canto e vivas do povo em festa.

42 3Tua luz manda-me, tua verdade: guiem-me ao templo, teu monte santo!

42 4E então irei ao teu altar, Deus do meu júbilo, minha alegria. Dar-te-ei graças, ao som da cítara, a ti, meu Deus, a ti, Senhor.

Oitava Leitura: Rm 6,3-11

3Ou por acaso ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados para participar de sua morte? 4Nós fomos sepultados como ele pelo batismo, para que, como Cristo foi ressuscitado pelo poder glorioso do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova. 5Porque, se fomos incorporados a Cristo por uma morte solidária com a dele, também o seremos por solidária ressurreição. 6Nós bem sabemos que o nosso homem velho foi crucificado com Cristo, para que este corpo pecador fosse destruído e não tenhamos mais de viver escravizados ao pecado. 7De fato, quem está morto ficou livre do pecado. 8 Se estamos mortos com Cristo, temos fé que também viveremos como ele. 9Porque nós sabemos que Cristo, uma vez ressuscitado dentre mortos, não morre mais. A morte já não exerce seu domínio sobre ele. 10A sua morte foi morte para o pecado, uma vez por todas, mas sua vida agora é uma vida para Deus. 11Assim também vós deveis considerar que estais mortos para o pecado e vivos para Deus, em Cristo Jesus.

Evangelho: Lc 24,1-12

1 No primeiro dia da semana bem de manhã, foram ao sepulcro com os aromas que tinham preparado. 2Encontraram a pedra rolada para o lado da abertura do sepulcro. 3Entraram e não acharam ali o corpo do Senhor Jesus. 4Não sabiam ainda o que pensar, quando apareceram dois homens com vestes brilhantes. 5Cheias de medo, inclinaram o rosto para o chão. Eles diseram: “Por que procurais entre os mortos quem está vivo? 6Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos do que vos dizia quando ainda estava na Galileia: 7 ‘É preciso que o Filho do homem seja entregue às mãos dos pecadores, e crucificado, mas que ressuscite no terceiro dia’”. 8Aí, então, lembraram-se das palavras de Jesus. 9Voltando do sepulcro, contaram estas coisas aos Onze e a todos os outros. 10Elas eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago. As outras mulheres que estavam com elas também contaram as mesmas coisas aos apóstolos. 11Mas eles achavam que essas palavras eram delírio e não acreditaram. 12No entanto, Pedro se levantou e correu para o sepulcro. Mas, abaixando-se, só viu os panos de linho. Voltou para casa, admirado com o que tinha acontecido.

 

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

 

NÃO MORREREI; AO CONTRÁRIO, VIVEREI.

[Sl 117(118),17a]

Primeira Leitura: Rm 6,3-11.

Pelo Batismo na Sua morte, fomos sepultados com Ele,

para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai,

assim também levemos uma vida nova (Rm 6,4).

Esta Primeira Leitura nos introduz à Liturgia Batismal.

De fato, por séculos a Igreja privilegiava a Vigília Pascal para os batismos dos recém-convertidos.

Esta Primeira Leitura é um texto em que São Paulo trata do Batismo.

São Paulo nos diz:

o Batismo é a morte para a vida precedente no pecado; as pessoas que recebiam o Batismo viviam, antes, no judaísmo ou no paganismo, na idolatria e em muitos pecados pelos quais a Lei de Moisés condenava à morte.

esta morte pela Lei não pode mais ser aplicada a partir do momento em que a Lei de Moisés deixou de vigorar: Jesus Cristo fez uma Nova Aliança pela qual Seu Sangue apaga os pecados condenados pela Lei antiga.

agora vigora a Lei de Cristo, em que o amor de Deus é que perdoa os pecados e nos coloca em paz com Deus.

– ainda em Rm 6,7 São Paulo diz: … quem morreu (pelo Batismo em Cristo) está livre do pecado. Jesus Cristo morreu por todos nós e nos livrou do pecado.

E o que se segue ao perdão dos pecados pelo Batismo?

Segue-se uma Vida Nova (Rm 6,4). Qual?

É a participação na Vida de Jesus Cristo Ressuscitado: acabou o pecado, acabou sua sentença, isto é, a morte. Agora somente existe Vida Nova, a da Ressurreição de Jesus Cristo. A morte eterna deixou de existir: … aquele que vive, é para Deus que vive (Rm 6,10). São Paulo dá a razão disto: … sabemos que Cristo ressuscitado não morre mais; a morte não tem poder sobre Ele (Rm 6,9).

Este é o ponto de chegada a que São Paulo conduz nossa reflexão.

Portanto ao ouvir esta Primeira Leitura, demos-lhe um tempo para aprofundamento em sua compreensão. Precisamos saber disto, caso contrário nosso Batismo perde sentido.

Salmo Responsorial: Sl 117(118),1-23.

Não morrerei; ao contrário, viverei … [Sl 117(118),17a].

O cântico deste Salmo é todo de ação de graças pela bondade de Deus que realizou maravilhas em Seu Povo. Seu Povo somos nós, a Igreja de Jesus Cristo.

Como Igreja entoamos este Salmo com espírito agradecido por Deus nos ter concedido participar da Vida Nova em Jesus Cristo.

A maior maravilha que Deus realizou por meio de Jesus Cristo foi precisamente Sua Ressurreição. E pelo Batismo Deus nos permite viver eternamente com Jesus Cristo a partir do momento em que a água batismal cai sobre nossas cabeças até que, um dia, comecemos a viver na Vida Eterna.

Este Salmo pode ser entendido como declaração de Jesus em relação a sua Ressurreição: Não morrerei; ao contrário, viverei … [Sl 117(118),17a].

No Evangelho de hoje veremos como Jesus tinha dito isto a seus discípulos, mas eles se esqueceram no momento de Sua Morte salvadora. Teremos oportunidade, hoje, de reaprender o sentido da Ressurreição de Jesus ouvindo o Evangelho desta liturgia.

Entender a Vida Eterna enquanto estamos na vida terrena ainda é difícil.

Mas a entenderemos depois de ressuscitados, como diz São Paulo: Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com Ele, em glória (Cl 3,4).

O tempo corre sem parar, a vida em breve passa.

Aguardemos nossa ida para Deus, por meio da participação na Ressurreição de Jesus.

Evangelho: Lc 24,1-12

Ele não está aqui. Ressuscitou! Lembrai-vos do que Ele vos falou: … devia ressuscitar ao terceiro dia (Lc 24,6-7).

Com a mente ocupada pelo susto pela condenação de Jesus e sua morte por decisão dos sumos sacerdotes, as mulheres que foram cedo ao sepulcro de Jesus não tinham outro pensamento do que a morte dele, como se fosse definitiva.

Muitas vezes o sofrimento pode nos cegar para as maravilhas de Deus. Deste perigo, precisamos nos prevenir e pedir que deste mal Deus nos livre.

Foi preciso que os anjos aparecessem às mulheres para livrá-las de seus temores quanto ao desaparecimento do corpo de Jesus do sepulcro. Por si mesmas elas não se lembrariam de nada do que Jesus tinha dito antes sobre Sua Morte e Ressurreição.

Quando, porém, os anjos lhes dizem que Jesus tinha ressuscitado, elas se maravilharam como se estivessem acordando de um torpor de um sono profundo. Elas imediatamente se lembraram das palavras de Jesus, e, maravilhadas, esquecem o sepulcro, esquecem os anjos, e correm para dar a boa notícia aos discípulos.

Vamos nos deter nesta descoberta maravilhosa das santas mulheres no túmulo de Jesus: a descoberta da Ressurreição em tudo o que ela significa! Elas foram as primeiras pessoas neste mundo a saber que Jesus tinha ressuscitado e entenderam o que a Ressurreição significava.

Neste dia precisamos, também nós, descobrir o mistério da Ressurreição.

O que significa?

Como entender a Ressurreição de Jesus?

Vimos no Salmo Responsorial: Não morrerei; ao contrário, viverei … [Sl 117(118),17a].

A Ressurreição de Jesus é sua Vida Eterna. É a que Ele nos dará: também nós não morreremos para sempre: viveremos na Vida Eterna.

Desta compreensão depende toda nossa fé cristã.

Este dia da Vigília Pascal, portanto, é fundamental para solidificar nossa fé na Ressurreição de Jesus e na Salvação que ela nos trouxe.



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.     


Siga-nos: