Liturgia do dia 16/04/2019

Leituras
Is 49,1-6
Sl 70(71),1-2.3-4a.5-6ab.15.17 (R/. cf. 15)
Jo 13,21-33.36-38

Semana Santa

Terça-Feira

Primeira Leitura: Is 49,1-6

1Ouvi-me, ilhas! Atendei, povos longínquos! Javé me chamou do ventre materno, do seio materno pronunciou meu nome. 2Fez de minha boca uma espada aguda; protegeu-me à sombra de sua mão. Fez de mim uma seta afiada, escondeu-me na sua aljava. 3Ele me disse: “És meu Servo, ó Israel, no qual me glorificarei”. 4Respondi: “Em vão tenho trabalhado, inutilmente consumi minhas forças!”. Mas meu direito está em Javé, minha recompensa em meu Deus. 5Agora Javé falou, Ele que me formou no seio materno para ser seu Servo, para reconduzir-lhe Jacó, e congregar-lhe Israel. Serei glorificado aos olhos de Javé. Meu Deus é minha força. 6Ele disse: “É pouco demais que sejas meu servo, para soerguer as tribos de Jacó, reconduzir os restos de Israel Eu te destino a ser a luz das nações para que minha salvação atinja os confins do orbe”. 

Salmo: Sl 70(71),1-2.3-4a.5-6ab.15.17 (R/. cf. 15)

R.: Minha boca dirá tua justiça

1Em ti, Senhor, encontro o meu refúgio; não seja confundido para sempre! 2Protege-me e liberta, porque és justo; inclina o teu ouvido e vem salvar-me!

3 Sê para mim a rocha protetora, a forte cidadela que me abrigue, pois és o meu rochedo e fortaleza. 4Liberta-me, meu Deus, das mãos do ímpio.

5Pois és, Senhor meu Deus, minha esperança, e desde a juventude espero em ti. 6bcDesde o seio materno, meu refúgio, e sempre pus em ti minha esperança.

15Minha boca dirá tua justiça; meus lábios, dia e noite, os teus auxílios, que já nem sei contar, tão numerosos!

17Deus, desde a juventude me ensinaste; proclamei até hoje teus prodígios. 

Evangelho: Jo 13,21-33.36-38

21Depois de dizer isto, Jesus ficou muito comovido interiormente e declarou abertamente: “Eu afirmo: um de vós há de me trair”. 22Os discípulos se entreolhavam, sem saber de quem ele falava. 23Um de seus discípulos, aquele que Jesus amava, estava reclinado ao peito de Jesus. 24Simão Pedro lhe fez sinal, como quem diz: “Pergunta a quem se refere”. 25Ele se inclinou sobre o peito de Jesus e perguntou: “Senhor, quem será?”. 26 Jesus respondeu: “Aquele a quem eu der um pedaço de pão que vou umedecer no molho”. E, ensopando o pão, tomou-o e o deu a Judas, filho de Simão Iscariotes. 27Logo que Judas recebeu o pão, Satanás entrou nele. Jesus então disse: “Faze logo o que pretendes fazer”. 28Nenhum dos que estavam à mesa compreendeu porque Jesus tinha dito isto. 29Como Judas cuidava da bolsa comum, alguns pensavam que Jesus lhe tivesse dito: “Compra o necessário para a festa” ou que lhe houvesse ordenado dar alguma coisa aos pobres. 30Tomando o pedaço de pão, ele saiu logo. Já era noite. Discursos de despedidas. Glorificação de Jesus e mandamento novo. 31Assim que, ele saiu, Jesus disse: “Agora foi glorificado o Filho do homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, Deus também o glorificará em si mesmo e glorificará dentro em breve. 33Filhinhos, ainda estarei convosco por pouco tempo. Vós me procurareis, mas eu também vos digo agora como disse aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir!’ 36 Simão Pedro lhe disse: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu: “Não me podes seguir agora para onde vou. Mais tarde me seguirás”. 37Pedro perguntou ainda: “Senhor, por que não te posso seguir agora mesmo? Darei a minha vida por ti!”. 38 Jesus disse então: “Darás a vida por mim? Pois eu te afirmo e esta é a verdade: não cantará o galo antes que me negues três vezes. 

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 – Ano C – São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 

Boa Nova para cada dia

Em verdade vos digo:

um de vós me entregará (Jo 13,21b).

Em verdade te digo:

o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes. (Jo 13,38c).

Neste dia o Evangelho nos mostra as negações de Judas e de Pedro contra Jesus. Tudo aconteceu na Última Ceia.

A negação de Judas já a poderíamos esperar desde que já meditamos seu desdém por Jesus e pelo gesto de Maria, irmã de Lázaro, em lavar os pés de Jesus com perfume preciosíssimo. O Evangelho diz que “Satanás entrou em Judas” (Jo 13,27b). Como Satanás pode entrar numa pessoa? Só quando ela se esvaziou interiormente porque expulsou Deus de seu coração. Judas expulsou Deus e Seu Filho de seu coração, dando o lugar a Satanás. Mas foi por ter preferido Satanás a Deus? Não, foi tudo por dinheiro. E foi com esse dinheiro que Satanás o comprou para si.

A negação de Pedro nos vem de surpresa: dele não esperaríamos uma coisa destas, pois seu coração não estava corroído pela cobiça do dinheiro. Pedro era um homem fraco como muitas vezes somos também nós. Ele ainda podia se comportar como um covarde traindo Jesus por puro medo. Foi o que aconteceu, como sabemos. Daqui nos vem alguma lição? Não deixemos que ela se perca.

Observemos ainda Jesus nesta Última Ceia.

Ele sabia que no dia seguinte estaria morto na cruz.

Ele sabia o que se passava no coração de cada um de seus discípulos.

Ele sabia que Judas o entregaria e que Pedro O negaria. No entanto não perdeu sua serenidade: Jesus vai ao encontro da traição e da negação com o mesmo domínio da situação com que irá levar Sua Cruz para nela ser pregado e morrer.

Consideremos todas estas coisas devagar.

Do comportamento de cada pessoa nesta Última Cena temos lições a aprender.

Não percamos esta oportunidade de meditar sobre Jesus, seus amigos e inimigos. Vejamos Jesus em sua dignidade, santidade, bondade, conformidade e obediência a Deus. Tudo o que Jesus faz é por amor a Deus Pai.

Perante este Jesus decidido a morrer por nossa Salvação, pensemos em nossas culpas para nos arrepender e reconciliar com Ele pelo sacramento da Penitência.



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.   


Siga-nos: