Versão em Português

 “Felizes os que choram porque serão consolados” (Mt 5, 4).

Amados irmãos e irmãs, peregrinos no caminho de Jesus rumo à santidade:

Como proposto na carta anterior, nesta prosseguimos com algumas breves reflexões sobre a Exortação Apostólica do papa Francisco “sobre o chamado à santidade no mundo atual” a “Gaudete et Exsultate” (GE). Lembro que o tema da Exortação é a proposta do Movimento de Cursilhos do Brasil para o corrente ano.

Alegria e sofrimento no caminho da santidade. Pode até parecer contraditório falar de alegria no sofrimento. Entretanto, no contexto das Bem-aventuranças, assunto de um dos principais capítulos da GE, Jesus chama de “felizes os que choram porque serão consolados”. Feliz quer dizer plenificado em suas aspirações, realizado em sua caminhada pela solidariedade. A alegria brotada no coração mesmo diante do sofrimento, é fruto da esperança e do amor mútuo. Talvez por experiência própria, sabemos que nem sempre estamos dispostos – como, aliás, nos lembra um ditado popular – a “dar o ombro para o outro chorar”, o que nada mais é do que aquilo que lemos em São Paulo e é repetido aqui na citação da GE: “A pessoa que, vendo as coisas como realmente estão, se deixa trespassar pela aflição e chora no seu coração, é capaz de alcançar as profundezas da vida e ser autenticamente feliz. Esta pessoa é consolada, mas com a consolação de Jesus e não com a do mundo. Assim pode ter a coragem de compartilhar o sofrimento alheio, e deixa de fugir das situações dolorosas. Desta forma, descobre que a vida tem sentido socorrendo o outro na sua aflição, compreendendo a angústia alheia, aliviando os outros. Esta pessoa sente que o outro é carne da sua carne, não teme aproximar-se até tocar a sua ferida, compadece-se até sentir que as distâncias são superadas. Assim, é possível acolher aquela exortação de São Paulo: “Chorai com os que choram”. (Rm 12, 15). E conclui: “Saber chorar com os outros: isto é santidade” (GE 76).

Múltiplas podem ser as origens, as intensidades, os momentos e a diversidade dos sofrimentos. Mas, apesar de tudo, os que tentam trilhar o caminho de Jesus, expresso nas Bem-aventuranças, jamais hão de perder de vista a alegria do peregrino ao ver, com os olhos da fé, que no horizonte brilha a Luz do mundo: “Eu sou a Luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12).

Sugestão para reflexão pessoal e/ou em grupo. Você já experimentou – apesar de sofrimentos e provações – aquela alegria no mais profundo do seu coração? Ou, ao escutar falar de alegria, você a relaciona apenas, com as alegrias transitórias e passageiras que o mundo e a vida lhe oferecem? Faça com Jesus, a experiência da alegria da solidariedade!

Desejando a todos a presença materna de Maria, a Nossa Senhora do Sorriso, deixo-lhes meu alegre e sorridente abraço!

Pe. José Gilberto BERALDO

Equipe sacerdotal do Grupo Executivo Nacional

MCC Brasil

E-mail: jberaldo79@gmail.com

Siga-nos: