Liturgia do dia 07/12/2018

Leituras
Is 29,17-24
Sl 26(27),1.4.13-14 (R/. 1a)
Mt 9,27-31

1ª Semana do Advento

Sexta-Feira

Primeira Leitura: Is 29,17-24

Leitura do Livro do Profeta Isaías

Assim fala o Senhor Deus: 17 Não é verdade que daqui a breve tempo o Líbano será um vergel, e o vergel será uma floresta? 18 Pois bem, naquele dia, surdos entenderão as palavras do livro; e, libertos da sombra das trevas, os olhos dos cegos verão. 19 Os humildes se alegrarão em Javé, e os mais pobres exultarão no Santo de Israel 20 porque o tirano não existirá mais, o zombador desaparecerá e os malfeitores serão exterminados: 21 os que, pela palavra, acusam os outros; os que, à Porta, estendem uma rede ao juiz e fazem, sem razão, cessar a causa do justo. 22 Por isso assim fala Javé, Deus da Casa de Jacó, e que resgatou Abraão: “Doravante Jacó não se envergonhará, e seu rosto não empalidecerá, 23 porque verá minha ação entre eles e proclamará a santidade de meu Nome”. Proclamará a santidade do Santo de Jacó, temerá o Deus de Israel. 24 Os espíritos transviados conhecerão a sabedoria e os que murmuram aprenderão o saber.

Salmo: Sl 26(27),1.4.13-14 (R/. 1a)

R. O Senhor é minha luz e salvação.

1 Só Deus é minha luz e salvação: de quem teria medo? É ele a proteção da minha vida; quem me fará tremer?

4 Peço ao Senhor apenas uma coisa, uma só eu procuro: é habitar a casa do Senhor por toda a minha vida; gozar a suavidade do Senhor, contemplar o seu templo.

13 Hei de ver a bondade do Senhor na terra dos que vivem! 14 Espera no Senhor! Força e coragem! Espera no Senhor!

Evangelho: Mt 9,27-31

27 Saindo Jesus dali, seguiram-no dois cegos, gritando: “Tem pena de nós, Filho de Davi!”. 28 Quando chegou à casa, aproximaram-se os cegos e Jesus lhes perguntou: “Credes que posso fazer isto?” “Sim, Senhor”, responderam eles. 29 Tocou-lhes, então, nos olhos, dizendo: “Que vos seja feito conforme a vossa fé!”. 30 E logo puderam enxergar. Mas Jesus lhes ordenou energicamente: “Tomai cuidado! Que ninguém saiba disso!”. 31 Eles, contudo, mal saíram, espalharam a sua fama em toda aquela região.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2018 – Ano B – São Marcos, Brasília, Edições CNBB, 2017.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola e Editora Santuário, 2016.

Boa Nova para cada dia

… dois cegos O seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, Filho de Davi!” (Mt 9,27bc).

Notemos que a fama de Jesus começava a se espalhar por muitos lugares. Esta cena pode ter acontecido perto de Cafarnaum (Ver Mt 9,1), onde Jesus estava começando sua pregação do Reino de Deus. Ele e sua mensagem eram a Salvação de Deus chegando ao Povo Eleito.

Como sabemos disto?

Precisamos entender este Evangelho depois de termos lido a Primeira Leitura desta missa. E esta Leitura é Is 29,17-24, onde está dito:

18. Naquele dia os surdos ouvirão as palavras do livro e os cegos verão no meio das trevas e das sobras.

19. Os humildes aumentarão sua alegria no Senhor

e os mais pobres dos homens se rejubilarão no Santo de Israel. … 

Como a Liturgia de hoje associa a leitura de Isaías à do Evangelho de Mt 9,27-31, entendemos que esta profecia contida em Isaías sobre o Santo de Israel se refere a Jesus. O início da pregação de Jesus é dita, em Is 29,18, como ‘aquele dia’. O sinal de que aqueles dias tinham chegado era a cura de surdos e cegos.

Mas notemos que o profeta indica este início da pregação do ‘Santo do Senhor’ como dirigida aos pobres, aos simples, aos necessitados.

Será pois, a estas pessoas, que Jesus se dirigirá em primeiro lugar.

Não sabemos quanto tempo Ele dedicou para discutir com os ricos líderes religiosos do Povo. Mas sabemos que preferiu estar entre os pobres e iniciar as Bem-aventuranças dizendo que é deles o Reino dos Céus.

Jesus era coerente. Ele já vivia no Reino dos Céus. Portanto devia ter optado por uma vida de pobre. Ele dirá que nem tinha onde pousar a cabeça; isto é, não podia contar com uma cama para dormir depois de exaustivas viagens (Lc 9,58).

Jesus é coerente com sua opção pela pobreza desde o dia em que nasceu.

José e Maria não puderam se hospedar numa estalagem (Lc 2,7). Jesus, então nasceu num estábulo, sem o menor conforto.

Preparemo-nos para este Natal considerando esta preferência de Jesus pelos pobres.

Não peçamos a Deus recompensas pelos nossos dízimos nem pelas obras de caridade que devemos fazer.

Saibamos, no entanto, que levando uma vida modesta imitamos Jesus e ajudamos, como Ele ajudou, os mais pobres.

Com Ele e com eles estaremos já no Reino dos Céus.

Não foi para isto que Jesus veio para nós?

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.


Siga-nos:                  
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Loja Virtual