Liturgia do dia 09/11/2018

Leituras
Ez 47,1-2.8-9.12 ou 1Cor 3,9c-11.16-17
Sl 45(46),2-3.5-6.8-9 (R/. 5)
Jo 2,13-22

Dedicação da Basílica do Latrão (Catedral de Roma), festa

Sexta-Feira

Primeira Leitura: Ez 47,1-2.8-9.12

Leitura da Profecia de Ezequiel

Naqueles dias:1 O homem fez-me voltar à entrada do Templo e lá vi uma corrente de água que brotava sob a soleira da Casa e corria para o oriente, pois a fachada do Templo estava voltada para o oriente. A água vinha de debaixo do lado direito do Templo, ao lado sul do altar. 2 Ele levou-me pelo pórtico setentrional e fez-me girar por fora, para o pórtico externo, voltado para o oriente, e eis que a água escorria do lado direito. 8 E disse-me o homem: “Esta água escorre para o distrito oriental e de lá desce para o vale do Jordão. Quando as águas chegarem ao mar em uma água corrompida, estas se tornarão saudáveis. 9 Acontecerá que, em qualquer parte aonde chegar este rio, qualquer ser que por lá se movimente conservará a vida. Haverá grande quantidade de peixes, pois aonde o rio chega traz a saúde, e tudo que entra em contato com ele conservará a vida. 12 E sobre ambas as margens do rio crescerão árvores frutíferas das mais variadas espécies, cujas folhas não murcharão e cujos frutos nunca acabarão; amadurecerão de mês em mês, pois aquelas águas vêm do Santuário. Os frutos servirão de alimento e as folhas de remédio”.

Facultativa: Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 3,9c-11.16-17

Irmãos, vós sois 9c o edifício de Deus. 10 Como um bom arquiteto, coloquei o alicerce, conforme a graça de Deus que me foi dada. E um outro constrói sobre ele. 11 Ninguém pode fazer outro alicerce além do que foi colocado, que é Jesus Cristo. 16 Não sabeis que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? 17 Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus — que sois vós — é sagrado.

Salmo: Sl 45(46),2-3.5-6.8-9 (R/. 5)

R. A cidade de Deus um rio alegra, o santuário do Altíssimo ele abraça.

2 Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro permanente em nossa angústia. 3 Se a terra estremecer, não temeremos; nem se dentro do mar ruem montanhas.

5 A cidade de Deus um rio alegra, o santuário do Altíssimo ele abraça. 6 Quem a pode abalar? Deus nela habita: antes do amanhecer ele a socorre.

8 Eis que o Deus de Israel está conosco; é o Deus de Jacó nosso refúgio! 9 Oh, vinde ver as obras do Senhor, que espalhou pela terra os seus prodígios.

Evangelho: Jo 2,13-22

13 Estava próxima a Páscoa dos judeus. Jesus subiu a Jerusalém, 14 e encontrou no Templo os que vendiam bois, cordeiros e pombas, e os cambistas em suas bancas. 15 Tendo feito um chicote com cordas expulsou a todos do Templo, com os bois e os cordeiros. Jogou no chão o dinheiro dos cambistas e derrubou suas bancas. 16 Disse aos vendedores de pombas: “Tirai daqui essas coisas. Não transformeis a casa de meu Pai em mercado!”. 17 Os discípulos se recordaram do que está escrito: o zelo de Tua Casa me devorará.18 Por isso os judeus lhe pediram explicações: “Que sinal nos apresentas para agir assim?”. 19 Jesus respondeu: “Destruí este templo e em três dias eu o construirei de novo”. 20 Os judeus replicaram: “Levaram quarenta e seis anos para edificar este Templo e tu serias capaz de reerguê-lo em três dias?”. 21 Porém ele dizia isto a respeito do templo de seu corpo. 22 Quando ressuscitou dos mortos, os discípulos se lembraram do que ele falou e acreditaram na Escritura e na palavra que Jesus tinha dito.

Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2018 – Ano B – São Marcos, Brasília, Edições CNBB, 2017.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola e Editora Santuário, 2016.

Boa Nova para cada dia

“O zelo por tua casa me consumirá” (Jo 2,17c).

Neste Evangelho Jesus aparece em sua corajosa e perigosa atitude de purificador do Templo de Jerusalém.

Ele expulsou os vendedores de bois, ovelhas e pombas, e os cambistas com suas mesas cheias de pilhas de moedas. O Templo não era um lugar de comércio. Aqueles comerciantes e cambistas estava dentro do Templo, no grande pátio público, o ‘pátio dos gentios’, mas mesmo assim considerado lugar sagrado em relação ao resto da cidade.

Podemos imaginar esta cena e entender o gesto de Jesus mais profundamente.

O que Jesus queria dizer era que um lugar sagrado não podia ser profanado por outros interesses, como o comercial. Mais do que isto Jesus queria mostrar a grande importância que tinha o Templo como lugar sagrado. Era a morada de Deus. No Templo somente se podia estar para adorar a Deus, para seu culto, para sua liturgia. E nada mais.

Desde sua adolescência Jesus tinha uma compreensão elevada do Templo. Ele estivera lá numa Páscoa com Maria e José, e decidira ficar lá, porque, disse Ele: Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo estar na casa de meu Pai? (Lc 2,49bc). Ou seja, para o Jesus estar no Templo era normal, porque aquela era Sua Casa. Como, então, estranhos a invadem para fazer dela um mercado?

Tudo o que Jesus fez naquele dia foi resultado de seu zelo pela Casa de Deus. 

Jesus se mostrou, aos habitantes de Jerusalém, que aquela Casa era de Seu Pai.

Com isto Ele se revelou como Filho de Deus.

Com este gesto Ele defendeu o que Lhe pertencia.

Pensemos na Igreja que frequentamos em nossas comunidades. Estas são os Templos de Jesus Cristo, morada de Seu Pai, morada do Espírito Santo.

Estas informações são muito profundas. 

E estas informações nos chegam neste dia, nesta solenidade da Dedicação da Basílica de São João Evangelista do Latrão. Demos graças a Deus em espírito de festa e alegria.

Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.


Siga-nos: